Pegando Avião No Laço

Acho que esse vaqueiro se inspirou no 4 ganchos de Aterragem dos Porta-Aviõesgaucho-laca-aviao

Nada nos pode parecer mais estranho do que a notícia de que um homen tenha laçado um avião. A vontade que a gente sente é mesmo de duvidar, duvidar integralmente. Mas, a verdade é que a extraordinária façanha aconteceu no pampa gaúcho.
O fato pode parecer à primeira vista uma espécie de reação do gaúcho que confia no cavalo como meio de transporte diante das melhores atrapalhações do progresso. Esta é uma conjetura. A realidade é que o avião foi laçado, prêso e bem fortemente por um laço de 13 braças e quatro tentos.
Érico Veríssimo criou um curioso personagem no seu último livro. É o velho Babalo. O homen tinha profunda ogeriza pela aviação e todas as engenhocas que andam e fazem barulho. Sempre que um aviãozinho rugia nos céus de Santa Fé, o chacareiro erguia o braço cabeludo e botava feia descompostura à boca fora:
Vão trabalhar vagabundos!
O vaqueiro Euclides Guterres, bonitão e frajola, nascido no alto da Serra, mas que veio para a coxilha, bem cedo, diferente do velho Babalo, até que gostava de aviação e coisas modernas. É o tipo característico do peão de estância dos dias que correm, sem literatura, e que poderá ir para o rodeio de “jeep” como fazem muitos fazendeiros do sul, guardando o cavalo para um fim de semana na cancha reta.

c1qxrepxaaayb0nEuclides Guterres , nascido em Santa Maria,  se tornou celebridade instantânea no dia 20 de janeiro de 1952, quando tinha 24 anos de idade, ao laçar o avião CAP 4- (prefixo PP-HFE), que estava dando rasantes na fazenda de seu patrão.
O avião, pilotado por Irineu Noal, com histórico de apenas 20 horas de vôo, decolou do aeródromo de Santa Maria com destino à fazenda de Cacildo Pena Xavier (pai da ex-namorada do piloto) em Tronqueiras, onde ele terminaria seu relacionamento amoroso e devolveria as cartas à ex-namorada, que já estava noiva de outro. O piloto levou menos de dez minutos para chegar à localidade de Tronqueiras, que é uma Unidade Residencial do bairro Arroio do Só, no distrito de Arroio do Só – distrito de Santa Maria desde 1886.

Ao sobrevoar a fazenda, começou a fazer uma série de manobras rasantes próximas à cerca, onde  Guterres, depois de três ou quatro tentativas, conseguiu laçar a aeronave.
gaucho-03O avião não caiu porque a hélice do motor cortou o laço. Mesmo assim foi danificado, e o piloto Irineu recebeu uma multa e teve seu brevêt cassado.

“Eu não fiz por maldade. Foi pura brincadeira. Para falar a verdade, não acreditava que pudesse pegar o aviãozinho pelas guampas num tiro de laço”, confessou Euclides Guterres.

Irineu até hoje  guarda a hélice da aeronave com o pedaço do laço, segundo matéria do jornal Correio do Povo de 29 de janeiro de 2007 .

O Presidente do aeroclube procurou o jornalista Cláudio Candiota (1922-2012), diretor de A Razão, e contou a história, mas pediu para não divulgá-la, “para não causar prejuízo à imagem do estabelecimento sob sua responsabilidade”. O jornalista comentou: “Deixa comigo. Vou tornar este aeroclube famoso em todo o mundo”. Não só deu a notícia no seu jornal como no Diário de Notícias, de Porto Alegre, e telefonou para a revista O Cruzeiro. Esta, na mesma semana, mandou seu melhor fotógrafo, o gaúcho Ed Keffel, a Santa Maria, onde reconstituiu o episódio e o estampou em cinco páginas, amplamente ilustradas. Com circulação de mais de 700 mil exemplares, a reportagem de Cláudio Candiota repercutiu na imprensa mundial.

Texto de Claudio G. Candiota e fotos de Ed Keffel.

Publicado na Revista O Cruzeiro, número 19, em 23/02/1952.

time_feb11-1952The Hemisphere: The Cowboy & the Airplane
At handsome Euclides Guterres’ home on the south Brazilian cattle ranges, the skies were not cloudy all day—till the flying machines came. Then, a few years ago, some smart fellows bought themselves a lot of little airplanes and opened a flying club just a hoot and a holler from the ranch where Cowboy Euclides worked. After that, the crazy things flew all over the place, diving at his cattle, scaring his pony, and impressing the girls so much that for the first time in Euclides’ courting life, the girls had discouraging words for a mere ground-bound gaucho.
One day last fortnight, a little plane kept swooping low at his boss’s house. How was Euclides to know that the pilot was merely trying to get the boss’s daughter to come out of the house so he could drop her a love letter? Euclides got mad. Fed up with all flat-hatters, he rushed from the barn. Next time the plane came round for a low, slow buzz, he swung his trusty leather laço—and lassoed the plane’s propeller.
Euclides was knocked to the ground. His laço— snapped off. With 3½ metres of laço— wound around his propeller hub, the startled pilot headed for home. Though the wooden prop was cracked, he made it safely. The flying club grounded him; the girl threw him over. And Euclides, the only cowboy ever to lasso an airplane, was once again the lion of the dark-eyed ladies of Rio Grande do Sul.

Publicado em Causos, Historias da Aviação | Deixe um comentário

O VASP do Haras Rancho Tokarski

1484774823162

A operação que levaria a aeronave para um terreno no Park Way foi suspensa depois que de um pedido da Agefis (Agência de Fiscalização do Distrito Federal) e a Administração de Brasília. Os órgãos informaram que o terreno numa chacara, indicado pelo empresário para estacionamento do avião, não estava regularizado.O PP- SNA, que estava em uma área do pátio do aeroporto JK,entãoteve que  percorrer 70 km, do terminal aéreo de Brasília até a propriedade do empresário, na DF 250, na área rural de Planaltina.

O empresário afirmou que adquiriu a carcaça para preservar a história e o patrimônio brasileiro e quer que a aeronave vire uma atração turística.— Um Boeing como esse, bem preservado, tem qualidade o suficiente para viver, em bom estado, por pelo menos mais um século. A ideia é que ele vire atração turística em nosso Haras, fomentando o turismo rural no Distrito Federal, diz Rogério Tokarski,criador de bois da raça wagyu, uma das mais caras do mundo, que quer fazer da sucata um centro de referência gastronômica .O Pecuarista comprou o Boeing 737 ,para transforma-lo em restaurante de carnes nobres-“Nos queremos preservar parte dessa Carcaça ,pelo menos 80 % das poltronas ,no restante sera um restaurante tematico ,onde teremos comidas de alto valor agregado,com os nossos carneiros e o Wagyu ,o objetivo é virar uma referência nacional”.

screen-shot-2012-06-28-at-11-46-01-amO boi da raça japonesa wagyu (lê-se ‘uaguiú”) é o responsável pela produção de uma das carnes mais caras do mundo, que chega a ser vendida por até US$ 1.000/ kg no Japão.

Essa carne, conhecida como “kobe beef” –uma referência à cidade japonesa de Kobe, de onde o gado se origina– é encontrada no Brasil por um preço mais baixo, mas ainda assim salgado.Em São Paulo, o quilo da carne pode chegar a R$ 240 (ou US$ 102). Em restaurantes, uma porção de 400 gramas vale mais de R$ 200 –o que, por quilo, equivaleria a R$ 500 (US$ 213).A justificativa para o alto preço está no fato de a raça wagyu produzir carne com muita gordura entre as fibras, o que, segundo especialistas, a torna saborosa e macia. Por essa razão, ela é quase sempre servida apenas levemente grelhada e com pouco sal; nada de molhos ou temperos fortes, para não haver interferências no gosto.

A carne é classificada de acordo com seu grau de marmoreio, ou seja, a quantidade de gordura entremeada. Quanto maior a quantidade de gordura, maior o número que ela recebe.A classificação japonesa vai de 1 a 12, e serve também como referência para o preço da carne, inclusive em restaurantes, que cobram mais caro pelas peças de número maior. Aqui no Brasil são produzidas carnes de 1 a 8, mas o preço do produto não varia conforme a  numeração.A carne de bois de outras raças não atinge o nível mínimo de gordura dessa escala.”No Japão, essa carne mais gordurosa faz sucesso e é a mais cara. Aqui no Brasil, conseguimos manter um padrão de marmoreio que agrada mais ao paladar do brasileiro, [uma carne] não tão gordurosa e muito saborosa”, diz o chef do restaurante Kinoshita, Tsuyoshi Murakami.

Publicado em Historias da Aviação, Impressoes do Japão, VASP | Deixe um comentário

Acervo Aeronautico do Broa Golf Resort

acervo-historico-de-avioes-broa-golf-resort-1173x220aviao-broa-golf-resort-1024x683museu5-1024x768museu4-1024x768museu2-1024x768museu6-1024x768

Um dia, talvez, graças a você, o avião atravessará o Atlântico.” (Frase da carta de Santos Dumont a Louis Bleriot)

O Instituto Arruda Botelho em parceria com o SESI/SENAI (São Paulo) iniciou em outubro de 2007 a construção da réplica virtual de um dos aviões do francês Louis Bleriot, o Bleriot XI. O Projeto contou com o apoio de outras instituições, conforme abaixo:

  • Lycée Diderot Paris – França
  • S ecole d’Ingénieurs “Sup-Meca” Paris-França
  • S ecole d’Ingénieurs “Centrale” Paris-França
  • Ministere Education Nationale – França
  • JSS Mahavidyapeetha Noida – India
  • Dassault Systemes

aviao-demoiselle-broa-golf-resort

DEMOISELLE

“As coisas são mais belas quando vistas de cima.” (Santos Dumont)

O Projeto Demoiselle do Instituto Arruda Botelho

O Projeto Demoiselle presta justa homenagem ao poder criativo de Alberto Santos Dumont. A missão do projeto é resgatar a história da aviação e divulgar o nome deste herói brasileiro e sua contribuição para o desenvolvimento da história da aviação mundial. Com este objetivo, o IAB iniciou em 2004 a construção de réplicas do Demoiselle, segundo avião criado por Santos Dumont, menos conhecido que o 14 BIS, mas de excepcional estrutura e que influenciou toda a indústria da aviação – especialmente a européia – no começo do século XX.
A conclusão da primeira réplica do Demoiselle, em 2005, foi o marco inicial das ações do IAB em prol do resgate histórico de Santos Dumont, mostrando ao Brasil e ao mundo os feitos do pioneiro e sua contribuição para a aviação mundial. O Projeto Demoiselle cumpre ainda um importante papel na formação de mão-de-obra especializada na restauração e manutenção de aeronaves antigas e clássicas, trabalhando em parceria com a Escola de Engenharia de São Carlos (USP), SESI e SENAI.

museu3-1024x768museu1-1024x768

LOCALIZAÇÃO

Publicado em Historias da Aviação | Deixe um comentário

Heikegani-Seleção Genetica Feita Por Uma Lenda

g080813_machida_heikegani12

Heikegani é uma espécie de caranguejo nativo do Japão, com uma concha que tem um padrão semelhante a um rosto humano. De acordo com o folclore japonês, os caranguejos de Heikegani contêm as almas dos guerreiros do samurai de Heike que foram mortos na batalha de Dan-no-ura em 1185 , uma guerra pela disputa do trono imperial japonês. A história conta que os samurais de Heike, reencarnados no caranguejo de Heikegani (Heikeposis japonica), estavam mostrando sua fidelidade ao clã vestindo uma máscara feroz em suas conchas. A batalha de Dan-no-ura, imortalizada no Heike Monogatari (o Conto de Heike) foi um momento crucial na história do Japão, que estabeleceu o primeiro shogunato (ditadura militar) e resultou na morte do filho do imperador .legend-of-heikegani-samurai-ghost-crabs

A Batalha de Dan-no-ura
A batalha foi precedida por uma intensa luta entre os governantes  do Japão, o clã Taira (mais tarde conhecido como Heike), que os caranguejos Heikegani são nomeados, e o clã Minamoto (Genji), que estavam lutando pelo controle do trono no final do século XII na Guerra de Genpei (1180-1185).
Em 24 de abril de 1185 , os dois poderosos clãs samurai lutaram até a morte na baía Dan-no-ura no Mar Interior do Japão. O clã Taira dominante (Heike), foi liderado por seu filho-Imperador, Antoku, e sua avó. O Heike tinha governado por muitas décadas, mas agora, muito superior em número, eles enfrentaram a derrota nas mãos dos Minamoto.
Durante a batalha, um membro da casa real tomou o imperador Antoku de sete anos de idade e mergulhou com ele na água no Estreito de Shimonoseki, afogando o filho imperador, em vez de permitir que ele fosse capturado pelas forças opostas. Sua mãe e sua avó seguiram-no em seu sofrimento. Antoku veio a ser adorado como Mizu-no-kami (“deus da água”).
Esta batalha crucial foi um ponto de viragem cultural e político na história japonesa: Minamoto Yoritomo tornou-se o primeiro Shogun, ou governante militar, do Japão. Dan-no-ura marcou o início de sete séculos, em que o Japão foi governado por guerreiros e xoguns em vez de imperadores e aristocratas.battle-of-dannoura

O destino do Samurai Heike 
defeated-heike-warriorsPara os samurais de Heike, a rendição ao inimigo nunca foi uma opção. Aqueles que não foram mortos na batalha, cometeram suicídio, afogando-se junto com seu imperador. Seus corpos transformaram-se alimento para os caranguejos de heikegani que os esperavam no fundo do mar.
De acordo com a lenda japonesa, os fantasmas ou almas dos samurais de Heike reencarnaram nos caranguejos de Heikegani que comiam seus restos, seus rostos irritados agora mostrados nas conchas dos caranguejos. Até hoje, diz-se que os caranguejos Heikegani perambulam pelas profundezas dos oceanos ao redor do Japão, procurando as heranças perdidas de seu império.

Teoria de Carl Sagan de Seleção Artificial
Durante um episódio do programa de ciência PBS, Cosmos: A Personal Voyage, Carl Sagon expôs sobre uma teoria apresentada por Julian Huxley em 1952, para explicar as estranhas características faciais da casca de caranguejo Heikegani. Huxley teorizou que as caras do samurai do caranguejo são o resultado da seleção artificial. Ele propôs que os pescadores que pescavam nas águas do Japão jogavam de volta os caranguejos cujas conchas pareciam o rosto de um samurai por respeito ao heike falecído. Isso preservou o DNA do heikegani com rostos parecidos com samurais enquanto desbastava as linhas genéticas daqueles sem traços.
O problema com esta teoria é que os caranguejos de Heikegani, que têm um comprimento máximo de 1.2 polegadas, são demasiado pequenos para serem comidos, assim é provável terem sido descartados para  alimento em primeiro lugar. Além disso, a análise das conchas mostrou que os padrões de face são simplesmente o resultado de pontos de conexão para tecido muscular e ligamentos. Finalmente, os caranguejos de Heikegani não são os únicos caranguejos com um rosto humano na concha. Uma variedade de caranguejos da família Dorippidae ,todos parecem ter rostos humanos em suas costas.
Uma teoria muito mais plausível é que qualquer semelhança de um rosto humano visto nas conchas dos caranguejos Heikegani é o resultado de Pareidolia, a capacidade inata do cérebro humano em reconhecer rostos e formas humanas em um conjunto de estímulos aleatórios. Exemplos comuns incluem ver imagens de animais ou rostos em nuvens, a Virgem Maria em paredes,etc.
O caranguejo de Heikegani inspirou a reverência às lendas antigas, assim como a investigação científica no poder da seleção. Enquanto muitos acreditam que o rosto de samurai irritado na casca do caranguejo é simplesmente o resultado do fenômeno psicológico de pareidolia, outros acreditam que os rostos  são os guerreiros samurai Heike, que foram renascer e ainda estão, de alguma forma, vigiando-os.

Referencias

The Samurai Crab. Martin, J.W. 1993. Terra, 31:4, 30-34.

Heikegani: The Samurai Ghost Crab – Introvert Japan

The Heikegani Crabs and the Problem with Pareidolia – Martin J Clemens

Heikegani: The Samurai Crab – Japan Powered

Samurai Crabs: Transmogrified Japanese warriors, the product of artificial selection, or pareidolia? – Arthropoda

By April Holloway

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário

Quando Voar Era Uma Aventura de 5 Dias

15895310_629689863901204_257024983835995171_n

15940951_629686097234914_7961068496738159376_nDurante o voo inaugural do S-40, em 19 de novembro de 1931, o piloto e consultor da Pan American Airways, Charles Lindbergh,  considerou a S-40 uma monstruosidade e contratou o designer Igor Sikorsky para  desenhar o próximo avião e a conversa continuou naquela noite num hotel na Jamaica. Sikorsky concluiu que o desenvolvimento do projeto deveria ser incrementado e que a abordagem segura seria um S-40 maior. Lindbergh solicitou que seria necessário um projeto mais elegante, com alcance de 2.500 milhas.

Em junho de 1931, o presidente da Pan Am, Juan Trippe, havia pedido desenhos de seis companhias de aeronaves  que fosse capaz de atravessar os oceanos. O novo projeto precisaria de maior capacidade  para transportar combustível suficiente , mais 300 libras de correio e passageiros, para um vôo sem escalas de 2.500 milhas (4.023 quilômetros) contra um vento desfavoravel de 48 km / h a uma velocidade de cruzeiro maior do que os semelhantes barcos voadores disponiveis naquele momento. Das seis empresas que enviaram propostas , apenas Sikorsky e a Martin apresentaram inovações. A outra oferta foi o mais ambicioso,  o Martin M-130.

O novo design do Sikorsky  S-42  chamado de”Pan Am Clipper” ou “Flying Clipper” , teve grandes melhorias aerodinâmicas em relação ao S-40. Igor Sikorsky disse: ele representa a simplicidade.Desviando bruscamente dos antigos projetos dele, flaps externos foram reduzidos a um mínimo.A cauda, em vez de ser apoiado por estabilizadores, foi anexado diretamente ao casco.  O S-42 tinha uma Carga alar elevada que exigiu reforços para permitir velocidades de decolagem  e aterragem seguras.  Apesar de Lindbergh ter aprovado esse projeto, ele ficou muito aquém do alcance proposto.  Desmontado de todas as acomodações, com tanques de combustível extras na fuselagem,so assim o S-42 foi capaz de voar  através dos oceanos Atlântico e Pacífico em testes . A Pan Am teve de esperar o Martin M-130 ficar pronto para ter um avião capaz de voar no Pacífico com  carga paga chegando ate a distante China.

Em março de 1939 um Pan Am S-42 foi programado para deixar Miami as 0730, pernoitando durante a noite em San Juan, Port of Spain, Belém e Recife e chegar ao Rio de Janeiro às 15h30 no quinto dia onde esta hoje o Santos Dumont. (Voltou a Miami, e os passageiros para Buenos Aires continuaram em DC2 / DC3s.)

sikorsky_s42_crop

Em 1947, o inventor Lemuel Stewart comprou a fuselagem do S-42 NC-822M Brazilian Clipper da Pan Am por U$ 750, converteu-o em uma casa flutuante de seis quartos e manteve-o ancorado em um canal de barco em Miami, Flórida. Seu destino final é desconhecido.

Em janeiro de 1945, o sucessor dele ,o último Martin M-130 ( o China Clipper ), deixou Miami no primeiro vôo programado da Pan Am para Leopoldville na Africa via Brasil. Ele quebrou e afundou durante o pouso em Port of Spain, Trinidad e Tobago em 8 de janeiro.16003071_629696923900498_3624563272045183148_n

 

Publicado em Historias da Aviação | Deixe um comentário

Passou Raspando Pela Terra e Ninguem Viu…

Colisão Terra com Asteroide (iStock/‘Asteroide surpresa’ passa próximo à Terra)colisacc83o-terra-asteroide-20150923-042
Se ainda existiam dúvidas de que asteroides poderiam passar perto da Terra sem ser percebidos com antecedência pelos radares das agências espaciais, agora não restam mais. Nesta segunda-feira, um asteroide que podia ter até 34 metros de comprimento passou bem perto do nosso planeta – a uma distância que corresponde à metade do espaço que separa a Terra da Lua. Segundo a companhia Slooh, que faz transmissões de eventos espaciais, a rocha só foi identificada no sábado por pesquisadores da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.
A possibilidade de que um asteroide potencialmente perigoso passe despercebido e se aproxime da Terra sem aviso prévio preocupa os cientistas. Recentemente, um pesquisador da Nasa declarou que a Terra não está preparada para se defender de uma colisão com um asteroide com grande potencial destrutivo. O governo americano também divulgou um documento oficial que determina uma série de estratégias para lidar com esse cenário antes, durante e após o possível impacto com objetos próximos da Terra (NEO, sigla em inglês para Near Earth Objects).

Por sorte, pesquisadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, criaram um simulador chamado Impact Earth! que é capaz de prever quais seriam as consequências se a rocha, identificada como o asteroide 2017 AG13, colidisse com o planeta. Apesar do objeto ter o tamanho de um prédio de dez andares e viajar a uma velocidade equivalente a 16 quilômetros por segundo, os cientistas afirmam que provavelmente o impacto não seria tão devastador quanto parece.

De acordo com os pesquisadores, se a colisão acontecesse a uma inclinação de 45 graus, o choque liberaria uma quantidade de energia dezenas de vezes maior do que a bomba atômica que explodiu em Hiroshima. Porém, como o asteroide estaria a uma distância 16 quilômetros em relação ao solo, os efeitos do impacto seriam bem menores. A companhia Slooh afirma que, por ter um tamanho semelhante ao asteroide que atingiu a cidade de Chelyabinsk, na Rússia, em 2013, as consequências terrestres de uma possível colisão com 2017 AG3 seriam parecidas – incluindo vidros quebrados e alguns prédios danificados.

A aproximação de asteroides como esse não é um evento incomum. Segundo dados do Near Earth Program, da Nasa, outros 38 objetos passando próximos à Terra são esperados só no mês de janeiro.

Estrela a caminho da Terragl710

Há bastante tempo os cientistas sabem que uma estrela com metade da massa do Sol está a caminho da Terra. Batizada de Gliese 710, atualmente ela se encontra a uma distância de 64 anos-luz da Terra – um ano-luz equivale a mais de nove quadrilhões de quilômetros. A mais nova estimativa dos cientistas, divulgada em novembro de 2016 em estudo publicado no periódico Astronomy & Astrophysics, é que a estrela vermelha se aproxime da Terra em 1,35 milhão de anos – o problema é que ela não chegará sozinha.

Apesar de passar muito perto do nosso planeta em termos cósmicos – cerca de 77 dias-luz, que corresponde a uma distância de 2 trilhões de quilômetros –, até onde se sabe, a estrela não colidirá com a Terra. Porém, para alcançar nosso planeta, ela passará pela nuvem de Oort, uma grande concentração de cometas no limite do sistema solar.

Por mais distante que pareça, a colisão dessa estrela com partes da nuvem pode espalhar cometas por todo o sistema solar – e, eventualmente, alguns deles podem atingir a Terra.

Alguns cientistas ainda acreditam que um evento semelhante há milhões de anos atrás pode ter dado origem à trajetória do cometa responsável pela extinção dos dinossauros rumo ao nosso planeta.

Mas mesmo se as gerações futuras, daqui a milhões de anos, possam sofrer com a queda de uma estrela-anã na Terra, não poderíamos fazer nada. Há 1,5 milhão de anos atrás, a espécie humana ainda não existia e o estágio da tecnologia do Homo Erectus eram apenas ferramentas de pedra e, possivelmente, um fogo controlado. É de se esperar que, se a humanidade evoluiu tanto em poucos milhões de anos, no futuro os habitantes terrestres possam apenas apertar um botão e acabar com qualquer ameaça de Apocalipse.

Eu acredito que a Raça Humana se auto-extinguira,com Guerras e Poluição Ambiental bem antes disso..

Publicado em Ecologia e Sustentabilidade | Deixe um comentário

Doppelgänger,Todo Mundo Tem Um

Santana Gutierrez, de 17 anos, estava passeando no shopping quando encontrou uma garota idêntica a ela. A jovem americana tirou uma foto das duas juntas e postou no Twitter. “Eu encontrei literalmente meu doppelgänger agora”, escreveu Santana na rede social. Lendas germânicas dizem que seres fantásticos doppelgänger têm o poder de se tornar igual a uma pessoa comum e que cada um tem a sua própria cópia.

Doppel (significa “duplo”, “réplica” ou “duplicata”) e gänger (“andante”, “ambulante” ou “aquele que vaga”).Na lenda não tem Boa Conotação para quem a encontra.1483959819976
.Santana Gutierrez e suas ‘gêmeas’ encontradas na internet Foto: Reprodução/Twitter

O post de Santana repercutiu no Twitter e os usuários começaram uma força-tarefa para encontrar outras gêmeas da jovem. A série de ficção científica ‘Orphan Black’, que retrata uma realidade em que a personagem central tem vários clones, foi uma das inspirações dos internautas para acreditar que haviam outras cópias além da garota do shopping. ctfx9zfukaap8t5

O site Twin Strangers, propõe-se a ajudar qualquer pessoa a encontrar o seu gémeo desconhecido. E a Microsoft lança sistema de comparação facial para ajudar a encontrar parecenças.

Niamh Geaney, Terence Manzaga e Harry English são os fundadores do site Twin Strangers (U$3.95 anual ). A ideia do site surgiu depois de uma aposta entre os três, cada um teria que encontrar os seus sete sósias (seguindo a crença de que no mundo há sete pessoas parecidas). A primeira foi Niamh quem encontrou a sua primeira sósia na Irlanda, onde mora, e agora conheceu a sua segunda sósia em Itália.

Luisa Guizzardi e Niamh conheceram-se através do site criado pela segunda. Após o contacto de Luisa, Niamh apanhou um avião e foi a Génova para conhecer Luisa e a família. No video do encontro com Luisa, a mãe desta afirma que ao longe confundiu Niamh com a filha.

As duas fizeram uma sessão fotográfica, para a qual se maquilharam de forma igual e até usaram lentes de contacto. Niamh diz que acha que são mais parecidas ao vivo do que nas fotos. No site contam-se já 5 casos de sucesso, contando com os 2 de Niamh.

Também a Microsoft seguindo a linha do how-old.net  (mostra a idade que  voce aparenta ter na Foto ), criou o https://www.twinsornot.net/ . Aqui podemos fazer o upload de fotografias(Precisa existirem as fotos nos Arquivos da Microsoft na Internet,restringindo a procura ) para ver que percentagem de pessoas têm em comum. .

Publicado em Entretenimento, Notícias e Política | Deixe um comentário

Trabalhe Menos ,Ajude o Planeta

Imagine se, em vez de curtir alguns feriadões ao longo do ano, tivéssemos três dias de fim de semana todas as semanas.
Não se trata apenas de uma boa ideia para quem quer passar mais tempo com a família ou praticar seus hobbies, poderia ser uma maneira fácil de melhorar radicalmente o nosso ambiente e a economia.
trabalhoSociólogo britânico diz que redução da jornada de trabalho é inevitável e levará a redução de emissões e consumo de energia (Foto: JEAN-FRANCOIS MONIER/AFP)
Segundo os economistas David Rosnik e Mark Weisbrot, geralmente a redução da jornada de trabalho acarreta uma queda no consumo de energia.
Na verdade, se os Estados Unidos adotassem seguissem um horário de trabalho como o dos europeus, de 40 horas por semana, reduziriam o uso de energia e, consequentemente, das emissões de carbono em 20%.
E com apenas quatro dias de trabalho por semana também seriam reduzidas as emissões de carbono geradas pelo transporte para o trabalho.
Num momento em que cientistas recomendam reduções drásticas das emissões de gases que contribuem para o aquecimento global, a adoção de fins de semana de três dias poderia ser a maneira mais fácil para tornar a nossa economia menos nociva ao meio ambiente.

O caso Utah
E a ideia já foi implementada em 2007, no estado de Utah, nos Estados Unidos.
Lá, funcionários públicos estenderam as horas trabalhadas de segunda a quinta-feira para eliminar sextas-feiras.Nos primeiros dez meses, foram economizados pelo menos US$ 1,8 milhão em energia elétrica.
Na foto, praticante de snowboard desce montanha em Solitude, Utah (Foto: Al Hartmann/The Salt Lake Tribune/AP)utah
Um número menor de dias de trabalho levou à redução das despesas com energia em escritórios, menor consumo de ar condicionado e menos tempo usando computadores e outros equipamentos.
Se forem levados em conta os gases do efeito estufa do transporte ao local de trabalho, Utah deixou de emitir mais de 12 mil toneladas de CO₂ por ano.
Apesar destas vantagens, em 2011 o governo de Utah foi forçado a abandonar a medida após reclamações de moradores que queriam ter acesso a serviços nas sextas-feiras.
Isso indica que medidas deste tipo devem ser acompanhadas por uma mudança em nossas expectativas para sextas-feiras. O primeiro passo é pensar naquele dia como o primeiro do fim de semana, e não um dia sem trabalho.
No entanto, a experiência de Utah mostra que, se replicada em todo o país, uma semana de quatro dias poderia levar a um grande avanço no sentido de uma economia que causa menos danos ao meio ambiente.
Haveria ainda possível aumento no bem-estar físico e mental da população, pois trabalhar menos dias poderia melhorar o “equilíbrio trabalho-vida”.

O caso da Suécia
“Quando vemos a forma como vivemos, o estresse que as pessoas sofrem, a pressão sobre o tempo e as ausências por motivo de doença e saúde mental relacionados ao trabalho, vemos claramente que é um grande problema”, disse o professor John Ashton ao jornal The Guardian, ex-presidente da Escola de Saúde Pública no Reino Unido.
Três dias fim de semana nos proporcionariam mais tempo para atividades sociais, para conviver com filhos e idosos e para se envolver mais com a comunidade.
Em 2015, a Suécia fez várias experiências com redução nas horas de trabalho, e como resultado registraram menos ausências por questões de saúde e aumento da produtividade.
Existem razões econômicas e tecnológicas para que os governos, partidos políticos, consultores e movimentos sociais comecem a considerar a adoção de fins de semana de três dias.
Recentemente, o antropólogo David Graeber, da London School of Economics, publicou um estudo no qual argumenta que muitos dos trabalhos atuais seriam desnecessários.
Para Graeber, a previsão feita em 1930 pelo economista John Maynard Keynes, de que no fim do século 20 os seres humanos só estariam trabalhando 15 horas por semana graças aos avanços tecnológicos, deveria ter sido realizada.Mas não foi assim.

Presença e produtividade
Economistas dizem que muitos dias de trabalho são subutilizados pelos empregados. Mas os funcionários são incapazes de sair do local de trabalho por uma exigência de “presença”.
Eles argumentam que em vez de trabalhar mais horas com pouca produtividade, deveríamos ter uma semana mais curta e ajudar a salvar o planeta e o nosso próprio bem-estar.
Cada vez mais, é esperada uma automação dos ambientes de trabalho. Sistemas de robótica avançada e inteligência artificial substituirão 47% dos empregos atuais nos Estados Unidos e 54% na Europa nas próximas décadas, segundo estudos recentes.
Nestas circunstâncias, onde haverá muito menos trabalho disponível, a adaptação aos fins de semana de três dias seria essencial para manter o funcionamento da economia.
Como Nick Srníček e eu expomos em nosso livro Inventing the Future: Postcapitalism and a World Without Work (“Inventando o futuro: Pós-capitalismo e um mundo sem trabalho”, em tradução livre), a automação nos oferecerá a perspectiva de uma visão muito diferente sobre o trabalho.
Será que é possível trabalhar menos?
Uma maior automatização tornará processos de produção mais eficientes com menos energia e menos trabalho humano até, em última instância, nos libertar do trabalho.
A chave para obter os benefícios da automação sem qualquer deslocamento social drástico depende em parte do desenvolvimento de políticas para redistribuir esses benefícios.
Isto significa uma jornada de trabalho semanal reduzida graças a um fim de semana mais longo, aliado a um salário básico universal.
Nada disso vai acontecer de um dia para o outro.
Mas se você está de folga, lendo este artigo em casa, pense que não está apenas desfrutando de um dia de lazer, mas também está colaborando no combate às mudanças climáticas.
*Alex William é professor de sociologia. Ele escreveu este artigo para o site acadêmico The Conversation

O Caso Japão

ibm-watson-robot-demo

O Watson, que substituiu 34 funcionários de um escritório de seguros , de acordo com o jornal local Mainichi .
Esse robô funciona como um software de análise de dados, que ajuda gestores a tomarem decisões, entre outras centenas de funções. Essencialmente, ele “pensa” como um ser humano e consegue interpretar textos, áudios, imagens e vídeos, mesmo que eles não estejam estruturados.Ele vai começar a atuar neste mês na Fukoku Mutual Life Insurance Company lendo documentos médicos e determinando pagamentos com base em ferimentos, históricos e procedimentos médicos.O investimento inicial da operação é de 1,7 milhão de dólares, com manutenção anual de 128 mil dólares. A empresa espera poupar 1,1 milhão de dólares por ano com o uso do IBM Watson. A Fukoku Mutual Life Insurance Company também utiliza a inteligência artificial para analisar ligações para seu call center, identificando a linguagem dos clientes entre positiva e negativa.

Ficou conhecido em 2011, ao vencer humanos em um programa de perguntas e respostas na TV, o Jeopardy. Essa tecnologia da IBM aprende conforme analisa informações e ajuda empresas a reduzir custos e melhorar o atendimento aos clientes.

Depois dos inumeros casos de Karoshi (morte por excesso de trabalho ) ,essa e uma noticia que vai levar a discussão sobre o trabalho repetitivo e longo demais…..

Publicado em Ecologia e Sustentabilidade, Impressoes do Japão, Notícias e Política | Deixe um comentário

QRs e Biochips

Funcionário da prefeitura mostra código QR na unha próximo à cidade de Iruma, Saitama 5dez2016-funcionario-da-prefeitura-mostra-codigo-qr-na-unha-proximo-a-cidade-de-iruma-saitama-japao-1482951744635_615x470
O Japão é o país com a maior proporção de idosos do mundo: mais de 26% da população tem 65 anos ou mais.Em 2015, o número de pessoas com mais de 80 anos alcançou 10 milhões pela primeira vez, e a perspectiva é que o envelhecimento continue avançando.Autoridades calculam que praticamente um terço da população japonesa será idosa em 2030.

Mas o Japão também é um dos países em que a terceira idade desfruta de melhor qualidade de vida – depois de Suécia e Noruega -, segundo informe de 2013 da Help Age International, rede internacional de organizações pelo direito dos idosos.

Códigos QR nas unhas para quem tem problemas de memória

A demência é uma das enfermidades que mais afetam as pessoas em terceira idade em todo o mundo.Mas o país asiático encontrou uma solução para que, na medida do possível, pessoas afetadas por problemas de memória possam encontrar o caminho de casa caso se percam.

Em Iruma, cidade ao norte de Tokyo, muitos moradores com demência senil estão sendo monitorados por meio de códigos de barra quadrados, os QR codes, instalados nas unhas dos dedos das mãos e pés.Os QR codes também são conhecidos como “códigos de resposta rápida” (daí a sigla QR, iniciais de “quick response”, “resposta rápida” em inglês) e armazenam informações pessoais em uma matriz de pontos ou em um código de barras bidimensional.

Esses códigos estão sendo colocados em adesivos de um centímetro, e reúnem dados do idoso, como endereço de casa e telefone de contato.O serviço é gratuito e foi lançado em dezembro de 2016 pela primeira vez no país.A tecnologia permite à polícia obter dados pessoais da pessoa apenas escaneando o código, que é a prova d’água e pode ficar grudado na unha por até duas semanas.Segundo um policial relatou à agência de noticias AFP, o novo método tem vantagens em relação ao sistema anterior.”Já existiam adesivos com QR codes para roupa ou sapatos, mas pessoas com demência nem sempre os usavam.”

Fonte-AFP

1483292678889Os Chips ja são usados em Animais de Estimação,Dog Tags sempre foram usados por Pilotos e Militares desde a Guerra da Secessão,nas Maternidades colocam Fichas de Identificação nos pes,os implantes de Marca-Passos ,etc,questão de tempo para todos sermos fichados com Biochips ao nascer…

 

Publicado em Impressoes do Japão, Notícias e Política | Deixe um comentário

O Goofy Previu o Futuro…

WAJIMA, Provincia de Ishikawa – Uma enxurrada de acidentes causados por motoristas idosos tornou-se uma questão social no Japão, por isso esta cidade está incentivando os velhos a abandonarem seus carros, entrando em  carrinhos de golfe nas estradas públicas.

A coisa funciona assim … os idosos não estão dirigindo. Há um “motorista” a bordo, mas ele ou ela não tem que fazer muito o que fazer, com os carros automatizados rodando em uma linha eletromagnética._92871065_japan-golf-cartLook, no hands! An operator is required by law, but keep their hands off the steering wheel-O movimento do veículo é controlado pelo ímã na linha através de um sensor embutido na parte inferior do veículo.

O condutor, exigido pela Lei de Trânsito Rodoviário, intervém se o carro eléctrico necessitar de evitar um veículo estacionado ao lado da estrada ou outros obstáculos.O serviço foi iniciado nesta cidade central do Japão em 15 de novembro pela Câmara de Comércio e Indústria Wajima.

O veículo, que é protegido para  vento e chuva, acelera e esterça automaticamente.O carro especial, com placa de matrícula normal, vem com espelhos e outros equipamentos necessários para percorrer uma via pública.O carrinho, desenvolvido pela Yamaha Motor Co., é mais fácil para pessoas idosas subirem em comparação com os ônibus .

“Estou certo de que os idosos vão sentir mais vontade de sair”, disse Mitsuhiro Satoya, presidente da Câmara de Comércio e Indústria.

A urgência de oferecer aos residentes um meio alternativo de viajar tem crescido ano após ano nesta cidade de 27.000 habitantes, uma vez que aqueles com 65 anos ou mais representam cerca de 43% da população. A cidade, que sofre de despovoamento como muitos outros municípios japoneses, está vendo o alcance de seu sistema de transporte público encolher com menos e menos ônibus e táxis correndo. Como resultado, os idosos, que abandonam as licenças de condução porque têm dificuldade em controlar um carro, estão desistindo de percorrer longas distâncias.

Autoridades locais também esperam que os carros de golfe seja um grande benefício para os turistas nessa cidade que fica ao lado do Mar do Japão.O carrinho de quatro assentos viaja a uma velocidade entre 6/12 quilômetros por hora, abrangendo um percurso de 3 km que abrange tambem pontos turísticos, em torno de 15 a 20 minutos.A corrida está disponível entre as 10 ao meio-dia e retoma das 1 as 3  da tarde gratis, exceto às quartas-feiras.

hi_fleet2_tee_262_alt_punch2_no_bottles_crop_001O uso de carrinhos de golfe como um meio de transporte está se espalhando por todo o país.A partir do ano fiscal atual, Himeshima, uma vila na província de Oita, começou a utilizar  tambem carros de golfe como um veículo  para os turistas.Os carros também parecem ter um bom potencial em outras situações.”A reação dos usuários foi extremamente positiva quando um carrinho de golfe foi usado para transportar os residentes de uma casa de repouso”, disse um funcionário local em Himeshima.Em Towada, Provincia de Aomori, o governo da cidade está tambem tentando colocar carrinhos de golfe para os turistas “passearem” através da área ocênica Oirase Keiryu.

Fonte-ASAHI SHIMBUN

2866_kucukMuitas cidades,em troca da devolução da carta de motorista tambem oferecem transporte gratuito nas linhas de metro/onibus,enquanto estudam o que seria a melhor opção.

Enquanto isso   pequenos veiculos individuais dos idosos invadem as calçadas do Japão que tambem são ocupadas pelas bicicletas .

Esses eletricos eu sempre achei parecidos com o Goofy  Cart do Pateta……

s-l1000

.

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário