Prefixos da Frota VASP

Não tenho todas as fotos,irei postando caso alguem tenha alguma foto disponivel.obrigado !16427565_187499221727976_2048955168732425684_n

VASP
(Viacao Aerea Sao Paulo)-(IATA-Code: VP)
gegründet 1933/Konkurs 2005.
Frota:

Airbus A-3001512828_1439941576274394_5868654000967276157_n (1)
PP-SNL Airbus A-300B2-203 c/n 202 1982-2005
PP-SNM Airbus A-300B2-203 c/n 205 1982-2005
PP-SNN Airbus A-300B2-203 c/n 225 1983-2005
A-300
Airbus A-310
PP-SFH Airbus A-310-304 c/n 552 1997-1997 leased
BAC 111-One Eleven

16729151_1594919280524456_3265444828954975300_n
PP-SRT BAC 111-422EQ c/n 119 1967-1974
PP-SRU BAC 111-422EQ c/n 126 1967- ??
Boeing 707
HR-AMN Boeing 707-347C c/n 20315 ? leased
HR-AMZ Boeing 707-321C c/n 18766 1994-1995 leased
N66651 Boeing 707-321C c/n 18716 1992-1995 leased, 1993 re-reg. HR-AMX
Boeing 7270624347
PP-SFC Boeing 727-264 c/n 21071 1996-2005
PP-SFE Boeing 727-243 c/n 22166 1996-2000
PP-SFF Boeing 727-2J7 c/n 20880 1997-2000
PP-SFG Boeing 727-2Q4 c/n 22425 1997-2004
PP-SFQ Boeing 727-2J4 c/n 22079 1998-2004
PP-SMK Boeing 727-212 c/n 21348 1980-1982
PP-SNE Boeing 727-2A1 c/n 21341 1977-1984
PP-SNF Boeing 727-2A1 c/n 21342 1977-1984
PP-SNG Boeing 727-2A1 c/n 21345 1980-1984
PP-SNH Boeing 727-2A1 c/n 21346 1980-1985
PP-SNI Boeing 727-2A1 c/n 21600 1980-1985
PP-SNJ Boeing 727-2A1 c/n 21601 1980-1989
PP-SRK Boeing 727-212 c/n 21347 1980-1982 w/o 8.6.82 Pacatuba
PP-SRY Boeing 727-30C c/n 19310 1979-1980
PP-SRZ Boeing 727-30C c/n 19311 1979-1981
B727
Boeing 7371005112_567760036599081_465935839_n
PP-SFI Boeing 737-2Q3 c/n 21478 1998-2005
PP-SFJ Boeing 737-3K9 c/n 24212 1998-2005
PP-SFK Boeing 737-33R c/n 28868 1998-2000
PP-SFL Boeing 737-3S3 c/n 23787 1998-2001
PP-SFM Boeing 737-3Q8 c/n 24299 1998-2001
PP-SFN Boeing 737-3L9 c/n 27925 1998-2005
PP-SFS Boeing 737-2Q3 c/n 22736 1999-1999

17884476_1830626917261295_745481663174920519_n
PP-SMA Boeing 737-2A1 c/n 20092 1969-2005
PP-SMB Boeing 737-2A1 c/n 20093 1969-2005
PP-SMC Boeing 737-2A1 c/n 20094 1969-2005
PP-SMD Boeing 737-2A1 c/n 20095 1969-1974
PP-SME Boeing 737-2A1 c/n 20096 1969-1986 w/o 28.01.1986 Rio de Janeiro
PP-SMF Boeing 737-2A1 c/n 20589 1972-2005
PP-SMG Boeing 737-2A1 c/n 20777 1973-2005
PP-SMH Boeing 737-2A1 c/n 20778 1973-2005
PP-SMP Boeing 737-2A1 c/n 20779 1973-2005
PP-SMQ Boeing 737-214 c/n 20155 1974-2005
PP-SMR Boeing 737-214 c/n 20157 1974-2005
PP-SMS Boeing 737-214 c/n 20159 1974-2005
PP-SMT Boeing 737-214 c/n 20160 1974-2005
PP-SMU Boeing 737-2A1 c/n 20967 1974-2005
PP-SMV Boeing 737-2A1 c/n 20968 1974-2005
PP-SMW Boeing 737-297 c/n 20346 1974-2005
PP-SMX Boeing 737-2A1 c/n 20969 1974-1978 w/o 2.4.1978 Sao Paulo
PP-SMY Boeing 737-2A1 c/n 20970 1974-1982 w/o 24.5.1982 Brasilia
PP-SMZ Boeing 737-2A1 c/n 20971 1974-2005
PP-SNA Boeing 737-2A1 c/n 21094 1975-2005
PP-SNB Boeing 737-2A1F c/n 21095 1975-2005
PP-SNC Boeing 737-2A1C c/n 21187 1976-1983 w/o 22.2.1983 Manaus
PP-SND Boeing 737-2A1C c/n 21188 1976-1992 w/o 22.6.1992 Moa River
PP-SNK Boeing 737-2L9 c/n 21686 1982-1984
1984-1992 leased
PP-SNO Boeing 737-2L9 c/n 21685 1984-1992
PP-SNP Boeing 737-269 c/n 21206 1985-1992
PP-SNQ Boeing 737-317 c/n 23173 1986-1992
PP-SNR Boeing 737-317 c/n 23174 1986-1992
PP-SNS Boeing 737-317 c/n 23175 1986-1992
PP-SNT Boeing 737-317 c/n 23176 1986-1992
PP-SNU Boeing 737-317 c/n 23177 1986-1992
PP-SNV Boeing 737-3Y0 c/n 23826 1987-1992
PP-SNW Boeing 737-244 c/n 22580 1985-1988
PP-SNW Boeing 737-33A c/n 24096 1989-1992
PP-SNY Boeing 737-248C c/n 20218 1985-1986
PP-SNY Boeing 737-3H9 c/n 23415 1986-1987
PP-SNZ Boeing 737-33A c/n 24097 1989-1992
PP-SOA Boeing 737-3Y0SF c/n 23747 1990-1992
PP-SOB Boeing 737-3Y0 c/n 23748 1990-1992
PP-SOC Boeing 737-33A c/n 24790 1991-1992
PP-SOD Boeing 737-33A c/n 24791 1991-1992
PP-SOE Boeing 737-33A c/n 25010 1991-1992
PP-SOF Boeing 737-33A c/n 25011 1991-1992
PP-SOG Boeing 737-33A c/n 25032 1991-1993
PP-SOH Boeing 737-4Y0F c/n 24683 1991-1992
PP-SOI Boeing 737-4Y0F c/n 24691 1991-1992
PP-SOJ Boeing 737-4Y0 c/n 24911 1991-1992
PP-SOK Boeing 737-33A c/n 25057 1991-1992
PP-SOL Boeing 737-33A c/n 25119 1991-1992
PP-SOR Boeing 737-3L9 c/n 25125 1991-1992
PP-SOT Boeing 737-3L9 c/n 25150 1991-2005
PP-SOU Boeing 737-3L9 c/n 25360 1991-2005
PP-SPA Boeing 737-205 c/n 23464 1991-1992
PP-SPB Boeing 737-205 c/n 23465 1991-1993
PP-SPC Boeing 737-205 c/n 23466 1991-1993
PP-SPF Boeing 737-2L7C c/n 21073 1995-2005
PP-SPG Boeing 737-2L7 c/n 21616 1994-2005
PP-SPH Boeing 737-2L9 c/n 22070 1994-2005
PP-SPI Boeing 737-2Q3 c/n 21476 1995-2005
PP-SPJ Boeing 737-2M9 c/n 21236 1995-2003 w/o 26.1.2003 Rio Branco
PP-SRV Boeing 737-2K2 c/n 22296 1990-1992
PP-SRW Boeing 737-204 c/n 22058 1990-1992
PP-SRX Boeing 737-248 c/n 19425 1976-1987
Curtiss C-46 Commando26047048_1501676573286290_2897416746036896369_n
PP-BLE Curtiss C-46A-55-CK c/n 246 1962-1968
1971-1971
PP-LDG Curtiss C-46A-40-CU c/n 26869 1962-1973
PP-LDL Curtiss C-46D-15-CU c/n 33467 1962-1964 w/o 21.3.1964 Guanabana Bay
PP-LDP Curtiss C-46A-40-CU c/n 27046 1962-1964
PP-LDQ Curtiss C-46A-45-CU c/n 30343 1962-1965 w/o 19.12.1965 Salvador Bahia
PP-LDU Curtiss C-46A-35-CU c/n 26798 1962-1965
PP-NAO Curtiss C-46D-5-CU c/n 32831 1962-1973
PP-NAP Curtiss C-46A-5-CK c/n 83 1962-1968
PP-NMC Curtiss C-46A-50-CU c/n 30543 1962-1965
PP-NME Curtiss C-46A-45-CU c/n 30418 1962-1968 w/o 1968 Rio de Janeiro
PP-NMF Curtiss C-46A-40-CU c/n 26971 1962-1964 w/o 16.8.1964 Capim River
PP-NMG Curtiss C-46A-45-CU c/n 30450 1962-1962
PP-NMH Curtiss C-46A-10-CU c/n 26508 1962-1968
PP-NML Curtiss C-46A-25-CU c/n 26621 1962-1964
DeHavilland DH.84 Dragon
PP-SPC DeHavilland DH.84 c/n 6085 1934-1941
De Havilland Canada DHC-6 Twin Otter16700673_643245909212266_7330785193231544083_o
PP-ECF De Havilland DHC-2 c/n 90 1951- ?? da Vasp AerofotogrametriaCat# PB01175
Douglas DC-3dc3umareliquiadavasp
PP-NAT Douglas C-53D-DO c/n 11683 1965-1974 re-reg. PT-KTY
w/o 1974
PP-NMA Douglas C-53-DO c/n 7396 ?? – 1962
PP-SPO Douglas C-47B-45-DK c/n 34285 1946-1974
PP-SPT Douglas C-47A-90-DL c/n 20543 ?
PP-SPX Douglas C-47A-5-DK c/n 12257 ?? – 1956 w/o 7.5.1956 Sao Paulo
PP-SPZ Douglas C-47-DL c/n 4649 1949-1964 w/o 27.05.1964 Sao Paulo
PP-SQA Douglas C-47-DL c/n 4742 1949-1973 w/o 29.1.1973 Rondonopolis
PP-SQG Douglas DC-3-178 c/n 1919 ?? – 1962 w/o 3.3.1962
PP-SQH Douglas DC-3-178 c/n 1545 ?
PP-SQK Douglas C-47-DL c/n 4347 1951-1981 re-reg. PP-KUC
PP-SQL Douglas DC-3-277C c/n 2248 1951-1954
PP-SQM Douglas C-47-DL c/n 4621 1951-1960
Douglas DC-4
PP-BLG Douglas C-54-DO c/n 3062 1962-1969
PP-LEL Douglas C-54B-15-DO c/n 18383 1962-1969
PP-LER Douglas C-54B-20-DO c/n 27251 1962-1969
PP-LES Douglas C-54B-1-DC c/n 10487 1963-1970
PP-LET Douglas C-54B-15-DO c/n 18393 ?? – 1969 w/o 2.4.1969 Rio de Janeiro
PP-LEW Douglas C-54A-15-DC c/n 10348 1962-1968 w/o 6.11.1968 Rio de Janeiro
PP-LEY Douglas C-54B-5-DO c/n 18338 1962-1970
PP-LEZ Douglas C-54B-20-DO c/n 27250 1962-1969
Douglas DC-6dc6cvasp
PP-LFA Douglas DC-6A c/n 45527 1962-1977
PP-LFB Douglas DC-6A c/n 45528 1962-1975
PP-LFC Douglas DC-6A c/n 45529 1962-1975
PP-LFD Douglas DC-6A c/n 45530 1962-1977
Douglas DC-821552021_747023858834470_4324113586458992707_o
N345JW Douglas DC-8-63 c/n 46042 1993-1993 leased
PP-SOO Douglas DC-8-61 c/n 45974 1991-1993
PP-SOP Douglas DC-8-61 c/n 45976 1991-1992
PP-SOQ Douglas DC-8-61 c/n 45941 1991-1993
Douglas DC-10800px-McDonnell_Douglas_DC-10-30,_VASP_AN0073979 (1)
N107WA Douglas DC-10-30CF c/n 46836 1997-1998 leased
OH-LHB Douglas DC-10-30 c/n 47957 1993-1994 leased
OO-PHN Douglas DC-10-30 c/n 46554 1995-1996 leased
PP-SFB Douglas DC-10-30 c/n 46575 1996-1996
PP-SOM Douglas DC-10-30 c/n 46940 1991-1993
PP-SON Douglas DC-10-30 c/n 47868 1991-1995
PP-SOV Douglas DC-10-30 c/n 47889 1991-1994
Embraer EM-110 Bandeirante14089178_341381429584991_4692810639609759580_n
PP-SBA Embraer EM-110C c/n 110009 1973-1976
PP-SBB Embraer EM-110C c/n 110010 1973-1976
PP-SBC Embraer EM-110C c/n 110013 1973-1976
PP-SBD Embraer EM-110C c/n 110016 1974-1976
PP-SBE Embraer EM-110C c/n 110021 1974-1975 w/o 27.2.1975 Sao Paulo
PP-SBF Embraer EM-110C c/n 110023 1974-1978
PP-SBG Embraer EM-110C c/n 110024 1974-1978
PP-SBH Embraer EM-110C c/n 110026 1974-1978
PP-SBJ Embraer EM-110C c/n 110037 1975-1978
PT-FVH Embraer EM-110C c/n 110025 1974-1992
GAL ST4 Monosparinício das operações da antiga VASP (Viação Aérea São Paulo)1 - Cópia (1)
PP-SPA GAL ST4 Monospar c/n ST4/24 1933-1944
PP-SPB GAL ST4 Monospar c/n ST4/25 1933-1942
Gates Learjet

26-02
PT-OCZ Gates Learjet 35A c/n 35-361 1991-1996
Junkers Ju52

photo176245jban1259068329482_f
PP-SPD Junkers Ju52/3mge c/n 5459 1937-1943 w/o 27.8.1943 Rio de Janeiro
PP-SPE Junkers Ju52/3mge c/n 5465 1937- ??
PP-SPF Junkers Ju52/3mge c/n 5689 1937-1939 w/o 8.11.1939 Botafogo
PP-SPG Junkers Ju52/3m c/n 6465 ?? – 1943
PP-SPH Junkers Ju52/3m c/n 6510 ?
PP-SPI Junkers Ju52/3m c/n 6684 1942-1957 re-reg. PT-AUX
w/o 23.2.1957 Rio de Janeiro
PP-SPJ Junkers Ju52/3mge c/n 5623 1944-1955
McDonnell Douglas MD-11vasp-md-11-aeronave-caderno-de-viagem
N277WA McDonnell Douglas MD-11ER c/n 48743 1998-1998 leased
PP-SFA McDonnell Douglas MD-11F c/n 48768 1996-2001
PP-SFD McDonnell Douglas MD-11F c/n 48769 1996-2001
PP-SOW McDonnell Douglas MD-11F c/n 48413 1992-2000
PP-SOZ McDonnell Douglas MD-11F c/n 48414 1992-2000
PP-SPD McDonnell Douglas MD-11F c/n 48411 1994-2001
PP-SPE McDonnell Douglas MD-11F c/n 48412 1993-2000
PP-SPK McDonnell Douglas MD-11F c/n 48744 1995-2001
PP-SPL McDonnell Douglas MD-11F c/n 48745 1996-2001
PP-SPM McDonnell Douglas MD-11P c/n 48563 1995-1998
NAMC YS-11 SAMURAI16299894_10202990283916173_4416643903222894001_o
PP-SMI NAMC YS-11A-211 c/n 2059 1968-1972 w/o 12.4.1972 Rio de Janeiro
PP-SMJ NAMC YS-11A-211 c/n 2068 1968-1973 w/o 23.10.1973 Rio de Janeiro
PP-SML NAMC YS-11A-212 c/n 2076 1968-1971 w/o 7.11.1971 Aragarcas
PP-SMM NAMC YS-11A-500 c/n 2079 1968-1977
PP-SMN NAMC YS-11A-212 c/n 2084 1969-1977
PP-SMO NAMC YS-11A-512 c/n 2091 1969-1974
PP-SMX NAMC YS-11-125 c/n 2043 1968-1969
PP-SMZ NAMC YS-11-125 c/n 2044 1968-1969
Saab 90 Scandiascandiavasp
PP-SQC Saab 90A-2 c/n 90.102 1950-1966
PP-SQD Saab 90A-2 c/n 90.104 1950-1964
PP-SQE Saab 90A-2 c/n 90.103 1950-1958 w/o 30.12.1958 Guanabarra Bay
PP-SQF Saab 90A-2 c/n 90.101 1951-1964
PP-SQN Saab 90A-2 c/n 90.111 1951-1964
PP-SQQ Saab F90A c/n 90.112 1954-1968
PP-SQR Saab 90 c/n 90.001 1951-1953
PP-SQR Saab F90A c/n 90.115 1955-1969
PP-SQS Saab F90A c/n 90.113 1955-1960 w/o 15.8.1960 Campinas
PP-SQT Saab F90A c/n 90.114 1955-1964
PP-SQU Saab F90A c/n 90.117 1957-1964
PP-SQV Saab 90A-2 c/n 90.106 1957-1959 w/o 23.9.1959 Sao Paulo
PP-SQW Saab 90A-2 c/n 90.105 1957-1965
PP-SQX Saab 90A-2 c/n 90.109 1957-1963
PP-SQY Saab 90A-2 c/n 90.110 1951-1964 w/o 8.3.1964 Londrina
PP-SQZ Saab F90A c/n 90.116 1958-1963
PP-SRA Saab 90A-2 c/n 90.107 1957-1962 w/o 25.11.1962 in mid-air-collision
PP-SRB Saab 90A-2 c/n 90.108 1958-1963
Vickers Viscount11102792_1090015084347678_7491928166164084123_n-640x405
PP-SRC Vickers Viscount 827 c/n 397 1958-1975
PP-SRD Vickers Viscount 827 c/n 398 1958-1973 w/o 15.5.1973 Salvador
PP-SRE Vickers Viscount 827 c/n 399 1958-1968 w/o 15.9.1968 Sao Paulo
PP-SRF Vickers Viscount 827 c/n 400 1958-1975
PP-SRG Vickers Viscount 827 c/n 401 1959-1959 w/o 22.12.1959 Rio de Janeiro
PP-SRH Vickers Viscount 827 c/n 316 1960-1975
PP-SRI Vickers Viscount 701 c/n 11 1962-1975
PP-SRJ Vickers Viscount 701 c/n 15 1962-1974
PP-SRL Vickers Viscount 701 c/n 22 1963-1969
PP-SRM Vickers Viscount 701 c/n 19 1962-1966 w/o 31.10.1966 Rio de Janeiro
PP-SRN Vickers Viscount 701C c/n 62 1962-1969
PP-SRO Vickers Viscount 701C c/n 64 1962-1969
PP-SRP Vickers Viscount 701C c/n 61 1962-1969
PP-SRQ Vickers Viscount 701C c/n 65 1962-1965 w/o 3.3.1965 Rio de Janeiro
PP-SRR Vickers Viscount 701C c/n 66 1962-1964 w/o 4.9.1964 Mt.Nova Caledonia
PP-SRS Vickers Viscount 701C c/n 182 1962-1969

Caravelle-Acredito que não voouCARAVELLE_VP_zps2ba3a5a0

Fairchild Metro- (TAN )-Hangar Vasp em Congonhas17425985_663228037214053_2359271435670028970_n

Transportes Aéreos Neuquen (Companhia aérea integrante do Vasp Air System criado na década de 1990) – Dez 199834516883_211936399421244_1126036130320351232_n

Aero Commander-TAN13669362_959962027434456_7060910071523900323_o

E um 727-200 do Loide Aereo Boliviano na expansão desastrada na America do Sulboeing_727-lab

E a Vaspinha que servia ao Governo do Estado de São Paulo no Hangar ao lado do Refeitorio com Queen Air,depois os King Air da Beechcraft e o jato HS-125 alem do helicoptero.queen-air-da-vaspinha-do-governo-s_pauloanos-60-no-ac_jaboticabal-small

Anúncios
Publicado em Historias da Aviação, VASP | 3 Comentários

Nippon ou Nihon,Ninguem Sabe…

Postado por Master Blaster
top7Como qualquer estudante de japonês lhe dirá, o uso de caracteres chineses conhecidos como Kanji pode ser um pesadelo às vezes. E embora eles possam ser realmente úteis para deduzir o significado de palavras complexas, eles dão poucas pistas sobre como alguém deve pronunciá-los.

Pegue o kanji para o Japão (日本), por exemplo. Mesmo um aluno da primeira série pode dizer o que significa, mas perguntar a um grupo de adultos como pronunciá-lo e você pode obter uma mistura de “Nihon” ou “Nippon” e talvez até mesmo um “Yamato” ocasional de uma dessas pessoas .

■ Por que o Japão?
Antes de entrar na questão da Nihon / Nippon, vamos descobrir por que os falantes de inglês ignoram completamente o nome original e chamam o país de “Japão”, um nome que significa “Agora, pão!” Em seu idioma nativo.

marco_polo_portrait1Parece que o culpado por trás dessa variação do nome é Marco Polo durante suas visitas ao norte da China durante a dinastia Yuan. Embora ele nunca tenha chegado ao Japão, ele ouviu falar do lugar daqueles que conheceu na China. Naquela época, o nome para o Japão foi estabelecido como o kanji (日本), que em chinês se lê como Rìběn.

No entanto, devido ao dialeto da área e do tempo, saiu como “Jipen”, que foi transcrito como “Zipangu” em The Travels of Marco Polo. De lá, ele se espalhou através do guisado linguístico da Europa e se tornou o moderno “Japan” em inglês hoje.

 

■ “Nippon” veio primeiro013nota de mil yenes)
Há muito tempo, o Japão costumava ser conhecido como “Wa” ou “Yamato” e usava o kanji 倭. O tempo passou e o kanji oficial foi mudado para 日本 em 640DC. No entanto, o nome Yamato ainda foi usado por algum tempo. Por volta da segunda metade do século VII, a leitura oficial de 日本 mudou para “Nippon” ou “Jippon”.

Acredita-se que a pronúncia de “Nihon” veio como um apelido na região de Kanto durante o período Edo. As pessoas associam essa história com as diferenças entre 日本 橋 (Nipponbashi) em Osaka e 日本 橋 (Nihonbashi) em Tokyo.021

■ “Nihon” saiu na frente
Sabendo disso, parece que a resposta óbvia é que “Nippon” é a maneira correta de pronunciar 日本 simplesmente porque estava aqui primeiro. No entanto, uma pesquisa recente mostrou que 61 por cento dos japoneses a lêem como “Nihon”, enquanto apenas 37 por cento disseram “Nippon”. Os resultados também mostraram que “Nihon” era muito mais prevalente entre os jovens também. Então, enquanto parece que “Nippon” tem prioridade, “Nihon” tem o voto popular.

Nomear o país certamente pareceria um trabalho apropriado para o governo, não seria? Infelizmente não há documento oficial que defina a pronúncia de 日本 ou 日本国. No entanto, uma tentativa foi feita pelo Ministério da Educação em 1934. Eles estavam conduzindo uma grande investigação sobre a língua nacional, uma parte da qual recomendou que o país fosse oficialmente pronunciado “Nippon” de uma vez por todas. No entanto, o governo simplesmente ignorou seu pedido.

Em 2009, um membro da Câmara dos Deputados fez um movimento ligeiramente mais liberal e apresentou um pedido pedindo que o governo nacional decidisse sobre uma pronúncia unificada, seja “Nippon” ou “Nihon”. O governo respondeu que ambos os termos estavam em ampla uso e não viu razão para tomar um lado oficial sobre o assunto.

■ 日本 =?
Você pode aplaudir a indecisão do governo como uma maneira de dizer que eles têm problemas maiores para lidar ou criticar a atitude “Não se preocupe, é legal”. De qualquer forma, uma coisa é certa. O nome deste país é simplesmente dois ou três pictogramas que legalmente poderiam ser interpretados verbalmente da maneira que você quiser, seja Nihon, Nippon, Jippon, Japão, Hinomoto, Yamato, Wa ou Zipangu…

Fonte: NHK, Kotoba Zatsuki, Gigazine via Naver Matome (japonês)
Imagens: Wikipedia, Wikipedia – Theresamerkel, Nayo148

Aqui estão alguns grupos que oficialmente usam o Nippon em seu nome:

Nippon Housou Kyoukai (NHK) Corporação Nippon Television Network
Nippon Broadcasting Service (NBS)
Nippon Budokan
All Nippon Airways (ANA)
Kinki Nippon Tetsudou (Kintestu Corp.)
Nishi-Nippon Railroad Co. (Nishitetsu)
Nippon Sports Science Unviersity
Nippon Yuubin (Correio do Japão)

E alguns grupos que preferem usar o Nihon:

Universidade Nihon
Nihon Koukuu (JAL)
Nihon Keizai Shimbun (O Nikkei)
Nihon Ryokaku Tetsudou (JR)
Nihon Unisys
Nihon Sumou Kyoukai (Associação Japonesa de Sumô)
Nihon Orinpikku Iinkai (Comitê Olímpico do Japão)

* Muitos desses grupos também usam a pronúncia alternativa de tempos em tempos

Publicado em Impressoes do Japão | 2 Comentários

Propagandas Historicas da Vasp

COMISSARIA-Campanha da VASP ao som de bossa nova em homenagem às aeromoças da companhia. Um filme clássico da antiga VASP que foi premiado como Grand Prix de Cinema no Festival Brasileiro de Publicidade. Homenagem às belas aeromoças da companhia, ao som de uma gostosa bossa-nova.

VASP,ANOS 80-VIAJE BEM,VIAJE VASP-BOA VIAGEM !!

Publicado em Historias da Aviação, VASP | Deixe um comentário

Rabada com Polenta pelo Correio

O Japão recebeu mais de 28 milhões de turistas em 2017,esperando um pico de 40 milhões ate 2020.Para receber e entregar volumes que os turistas enviam aos seus paises e atender o mercado interno,eles tem os Correios e 2 empresas principais.Ate um serviço de entrega de malas para onde quiser,nesse video.Eu utilizava para receber refeições congeladas de um restaurante de outra Provincia e escolhia a hora da entrega na minha folga e não sei como me achavam morava num apartamento a beira de uma Rodovia .

Os resultados das três maiores companhias de entrega do Japão foram publicados essa semana e confirmaram parte das expectativas dos especialistas.

A Yamato (Kuro Neko) foi uma das empresas a seguir às expectativas e teve queda de 1,7% na quantidade de entregas em relação ao ano passado. No total, a empresa trabalhou com aproximadamente 1,8 bilhões de pacotes.

A queda dos negócios em 2017 era prevista, após a empresa anunciar que a sua rede logística não estava conseguindo lidar com o aumento no número de entregas decorrentes do crescimento do mercado de vendas online. O aumento nas tarifas  de envio das encomendas e o encarecimento da mão de obra devem diminuir ainda mais os planos da Yamato para 2018.

Depois da Yamato, a segunda maior empresa do ramo é a Sagawa Express. A empresa não teve maiores mudanças em relação ao ano passado e seguiu as expectativas com aumento de 0,1% no seu número de entregas, atingindo 1,2 bilhões de pacotes.

A maior surpresa foi o crescimento de 25,6% apresentada pelo Japan Post, que totalizou 875 milhões de entregas. O valor representa o maior já alcançado pela organização em toda a sua história e diferente da Yamato a expectativa para o Japan Post é de nova alta para 2018.

Os cenários distintos vividos pelas duas empresas se deve ao aumento da demanda pelos serviços do Japan Post, que não teve grandes alterações nos seus serviços em relação ao ano passado. Somada a capacidade da entidade de aumentar a sua rede logística, que ainda não trabalha em capacidade máxima, muitas das entregas e produtos que anteriormente eram feitas pela Yamato estão naturalmente passando para as mãos do Japan Post.

Fonte: NHK WEB NEWS

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário

Casa Privilegiada no Japão

Parei de postar fotos como Local Guide no Japão,mas o Google Maps ainda me manda o numero de visualizações que algumas delas atingem.Agora porque acessaram essa foto por mais de 107.000 vezes não entendi.Na frente da entrada de um Metro , aparentemente a bastante tempo na rua de um Koban (Posto Policial ),lugar privilegiado perto de um Parque…e não paga Imposto Municipal..Quem souber de uma outra razão,me escreva por favor.

P1090134 (2)

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário

Carga Estranha na Vasp

Ja levei tambem um Escort num Brega para Cruzeiro do Sul,para aproveitamento de espaço,junto com uma carga de grama .

A pior foi um Leão de Congonhas para o  Zoologico de João Pessoa.Estava tão irritado pelos 8 pousos que tinha arrebentado uma parte da jaula e o pessoal da carga ,com muito medo,não queria retirar as malas.Na troca de tripulação sugeri chamar um veterinario e trazer tranquilizante .IMG_5742

Em locais onde eram feito somente fretamentos a carga/descarga era improvisada..19224757_1097724533693596_3659310901378086947_n

As empilhadeiras normais…27541016_2003269793330339_8728582865526651657_n

Ate caminhões…..14940226_1057023584394966_3566890063239951607_o (1)

Publicado em Historias da Aviação, minhas memorias, VASP | Deixe um comentário

Wasei -Eigo,a Confusão do Idioma

sharp-pencilA Globalização nos deu essas misturas culturais incongruentes como o Big Mac e o Idol da Música Búlgara, mas talvez em nenhum lugar do mundo a interação entre culturas estrangeiras tenha sido tão frutífera quanto no Japão. O surgimento do inglês como língua global criou um novo subconjunto de idiomas na Terra do Sol Nascente, uma espécie de fusão de inglês e japonês chamada wasei-eigo (que na verdade significa “inglês made-in-Japan”). Estas são palavras com raízes inglesas que foram tão completamente valorizadas no Japão, que se tornaram quase irreconhecíveis para falantes nativos de inglês. Então, para aqueles que esperam “subir de nível” (há um pouco de wasei-eigo para você) ,melhore suas habilidades de comunicação antes de viajar para Tokyo, considere memorizar essas joias japonesas.

1. “Baikingu”
Se você comer no Japão, é provável que você encontre um restaurante anunciando um almoço de buffet (“viking”). Mas você não encontrará clientes usando capacetes com chifres e jantando nos espólios da guerra – . A história conta que o Imperial Hotel de Tokyo foi o primeiro no Japão a servir refeições buffet, e seu “Viking smörgåsbord” (que por sua vez recebeu o nome do filme de aventura de Kirk Douglas (The Vikings) pegou como o nome preferido por todos.

2. “Donmai”
Parece que deveria significar “não me importo”, mas na verdade, o donmai vem da desajeitada garantia em inglês: ou seja, “não se preocupe com isso!” Seu sashimi Fugu é venenoso? Donmai….

3. “Maipesu”
Na alta velocidade do Japão e a sociedade orientada para o grupo, fazer algo em seu próprio ritmo não é exatamente um elogio. É por isso que o termo maipesu (“meu ritmo”) é usado de forma pejorativa para descrever alguém que dança ao ritmo de seu próprio baterista ou faz suas próprias coisas do seu jeito. Por exemplo, “Yoko Ono é tão maipesu”.

4. “Wanpisu”
Você provavelmente pode imaginar que o wanpisu vem do termo inglês “one piece.” Mas se a frase “o casamento da minha prima foi demais, todas as damas de honra usavam uma peça linda”, você está imaginando uma fila de mulheres posando em trajes de banho combinando? pense novamente – wanpisu é na verdade a palavra japonesa para  vestido de mulher.

5. “Handorukipa”
Para uma noite selvagem, uma handorukipa é uma necessidade. Isso ocorre porque o Japão tem uma política de tolerância zero quando se trata de beber e dirigir. Assim, é melhor que seu parceiro esteja disposto a ser o “handle keeper” (ou seja, motorista designado).

6., 7. e 8. “Konsento”, “Hochikisu” e “Shapupenshiru”
Não se assuste se o seu colega de trabalho japonês vier até você solicitando o konsento (“consentimento”). Isso significa apenas que eles querem usar seu “plugue ”, ou seja, sua tomada elétrica. O mesmo acontece se eles estiverem procurando por um hochikisu (“Hotchkiss”), que significa grampeador, assim chamado porque a E. H. Hotchkiss Company foi a primeira a produzir o grampo no escritório (trocadilho intencional) no Japão. E se eles pedirem um shapupenshiru (“lápis afiado”), jogue um lapiseira.

9. e 10. “baiku” / “bebika”
Choque os teus amigos japoneses dizendo-lhes que passou o fim de semana a ensinar a tua filha de 5 anos a andar de bicicleta. No Japão, baiku significa motocicleta. Da mesma forma, se uma criança sai para dar uma volta na bebika (“carro de bebê”), ela está simplesmente andando de carrinho de bebê.

11. “romansugurei”
Em vez da fan fiction Fifty Shades of Grey (Cinquenta tons de cinza ), “romance cinza” na verdade descreve os Anderson Coopers e Richard Geres do mundo. Pense em um cavalheiro mais velho e bonito com cabelos grisalhos, ou o que chamaríamos de “raposa prateada”.

12. “manshon”
Não espere muito se um Tokyote te convidar para sua “mansão” – você não encontrará pisos de mármore ou uma piscina coberta, porque Manshon simplesmente descreve um complexo de apartamentos em estilo condomínio.

A maioria dos japoneses fica surpresa ao descobrir que uma frase gramaticalmente correta como: “Eu me perdi no viking, mas felizmente o motorista auxiliar me dará uma carona de volta à minha mansão”,( “I got wasted at the viking, but luckily the handle keeper will gimme a ride back to my mansion),soa como idiota para o inglês médio. Mas nem todos adotaram o uso difundido do wasei-eigo.

Na verdade, um homem de 72 anos de idade recentemente ganhou as manchetes quando processou a emissora pública nacional japonesa (NHK ) porque não conseguia entender a programação crivada de Wasei Eigo. ( ele alegou sofrimento emocional causado a ele e pediu 1,41 milhão de ienes .) Ele perdeu – o que faz você pensar se, depois de proferir o veredicto, o juiz lhe disse: “Donmai”.
BY ELLEN FREEMAN

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário

O Sanduiche Espacial

Em 1965, o astronauta John Young contrabandeou um lanche para a Gemini 3. Causando um escândalo: o sanduíche era bem capaz de matar todos na Capsula.
O sanduíche foi a primeira comida não espacial a ser levada para fora da Terra Foto:Pixabaysanduiche-espaco-1094852
Era 23 de março de 1965 quando o astronauta John Young enfiou a mão no bolso e sacou um sanduíche de carne. “De onde veio isso?”, perguntou Gus Grissom, parceiro de Young na missão. “Eu trouxe comigo. Vamos ver qual é o gosto.” Foi assim que o primeiro – e provavelmente último – sanduíche foi contrabandeado para o espaço. Young e Grissom faziam parte da missão Gemini 3, primeiro voo tripulado do Projeto Gemini da Nasa, que sucedeu ao Mercury e precedeu ao Apollo.

O sanduíche havia sido comprado dois dias antes, na lanchonete Wolfie’s Restaurant & Sandwich Shop, em Cocoa Beach, Flórida, pelo astronauta Wally Schirra, que o entregou a Young como uma brincadeira, pouco antes do lançamento da missão.

sanduiche-1094771 Wolfie’s Restaurant & Sandwich Shop, em Cocoa Beach, Flórida.Reprodução

Coincidentemente, um dos objetivos da Gemini 3 era testar novos alimentos para o espaço e ajudar a definir o cardápio ideal para missões mais longas. Para isso, devem ser preparados e embalados especialmente para o consumo fora da Terra. Precisam ser fáceis de preparar e durar bastante sem refrigeração.
Young e Grissom embarcaram na missão em 23 de março de 1965 –Wikimedia Commons

sanduiche-1094773Young e Grissom tinham à disposição frango, pão, brownie e suco de laranja, enlatados ou cortados em cubos e revestidos com uma camada de gelatina para evitar a formação de migalhas. Quando os astronautas morderam o sanduíche contrabandeado, ele imediatamente começou a se desmanchar, formando migalhas que flutuavam por toda a cabine. Eles também perceberam que o lanche não tinha um gosto bom – além de ter sido preparado dois dias antes, a comida comum não tem o mesmo sabor no espaço.
As iguarias espaciais….sanduiche-1094774Astronautas estavam testando alimentos espaciais- Nasa
Toda essa experiência com o sanduíche durou menos de 30 segundos. Depois de quase 5 horas orbitando a Terra, a missão cumpriu seus objetivos. Mas, ao retornar, os astronautas foram repreendidos pela Nasa e pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, que não gostaram nada da brincadeira.“Alguns congressistas ficaram irritados, achando que, contrabandeando e comendo parte do sanduíche, eu e Gus ignoramos as comidas espaciais que deveríamos testar”, escreveu Young em suas memórias Forever Young, em 2012.

Depois do incidente, a Nasa assegurou à Camara que implementaria medidas severas para que nenhum alimento fosse contrabandeado para o espaço novamente.As migalhas eram a grande preocupação da Nasa. Em um ambiente sem gravidade, elas podiam entrar facilmente nos olhos dos tripulantes ou nos painéis elétricos da nave – nesse caso, podiam danificar os equipamentos e até provocar um grave incêndio, pois o pão é inflamável. Uma missão espacial de um bilhão de dólares no centro das atenções de todo o mundo não era lugar para gracinhas.

sanduiche-espaco-1094769Contemple o objeto mais perigoso da Corrida Espacial.
 Raymond K. Cunningham Jr.

Uma parte do sanduíche está exposto no Virgil I Gus Grissom Memorial, em Mitchell, Indiana, preservado em resina.

A lanchonete onde ele foi comprado foi fechada em 2008.

Letícia Yazbek
aventurasnahistoria.uol.com.br
Publicado em Notícias e Política, Viagens | Deixe um comentário

Perdido nas Ruas Japonesas

O sistema de endereços japonês é baseado em cidades e áreas geográficas, e não na localização de um edifício em uma rua específica, como é o caso de muitos países ocidentais. De fato, com exceção de Kyoto e Sapporo, um endereço no Japão não incluirá o nome de uma rua.14004903334_ae4494fbd4_k-1020x500

Quando escritos em caracteres japoneses, os endereços são escritos da maior área geográfica até o mais específico. Esta regra é invertida ao escrever o endereço no alfabeto romano.
Por exemplo, o endereço da Real Estate Japan Co. Ltd. em japonês é escrito:
8106-0044 東京 都 港区 東 麻布 1-8-1 東 麻布 IS ビ ル 4F
Escrito em forma romanizada é:
Higashi Azabu É Bldg 4F, Higashi Azabu 1-8-1, Minato-ku Tóquio 106-0044

Vamos dividir isso em diferentes partes:
Parte 1: Código Postal
A primeira parte é o código postal. O símbolo 〒 (Yubin Bango) significa “código postal”. No Japão estão neste formato: NNN-NNNN (três dígitos hífen quatro dígitos).

Parte 2: Provincia
A próxima parte de qualquer endereço é o município. Existem 47 possibilidades diferentes aqui, porque existem 47 Provincias no país, mas simplesmente, existem apenas cinco combinações principais:
Qualquer Provincia (exceto Tokyo, Osaka, Kyoto ou Hokkaido) seguido por – 県 (ken). Por exemplo, 青森 県 (Aomori-ken ou Aomori Prefecture). Assim, quarenta e três das Provincias seriam escritas dessa maneira em um endereço.
Tokyo-To (東京 都) Como capital, Tokyo recebe seu próprio sufixo especial de -To (都), que significa “metrópole”.
Osaka-Fu (大 坂 府) Osaka recebe o sufixo especial de -Fu (府), que significa “prefeitura urbana”,Kyoto-Fu (京都 府) Kyoto também recebe o sufixo especial de -Fu (府.
Planície de Tokachi de Hokkaido. Hokkaido não é chamado de “Provincia” (県, ken), mas um “circuito” (道, dou). Foto: WikimediaTokachi_plain_01

Em japonês, 43 Provincias do Japão ( são chamadas de -Ken), as metrópole de Tokyo, Osaka, Kyoto e Hokkaido são coletivamente chamadas de To 道 府 県 (To-Dou-Fu-Ken).
Parte 3: Município
Esta é a próxima divisão depois da Provincia. De um modo geral, existem três possibilidades principais aqui:
[Nome] -Shi (市). Shi significa “cidade”. É uma designação dada a uma area geográfica que possui população suficiente para obtê-la. Por exemplo, Sapporo, Chiba, Yokohama, Kobe e Hiroshima recebem o sufixo -shi. Tokyo-to tem 26 -shi dentro de suas fronteiras administrativas, por exemplo, Chōfu e Hachiōji.
[Nome] -Ku (区). Ku significa “bairro”. Esta é uma designação dada a sub-seções de cidades com populações suficientemente grandes para serem nomeadas “cidades designadas”.Minato-City Para fins administrativos, as 23 Wards de Tokyo não são chamadas apenas de “wards” -Ku,(区) em japonês, mas são denominadas “special wards” (特別 区). No uso comum, nos referimos a eles como bairros, mas eles são tão grandes em termos de população e tão importantes em termos administrativos que elas são oficialmente “cidades”. Se você visitar o website do seu escritório onde reside, verá que o título oficial é “cidade”.
[Nome] – Gun (郡). Gun significa “condado”. Esta é uma designação dada a áreas geográficas que não têm uma população suficientemente grande para ser designada como um -shi. Muitas áreas rurais têm endereços que contêm -gun no endereço.
Parte 4: Machi ou Cho (町) ou Mura (村)
Depois da municipalidade, alguns endereços são então divididos em “cidades” (machi ou cho, 町) ou “aldeias” (Mura, 村), mas nem todos os endereços contêm essa designação.
Este é um endereço que contém: -2160-0017 東京 都 新宿 区 左 門 町 21-2.町 門 町 é lido “Samon-Cho”
Parte 5: Nome do Distrito da Cidade (Chōme, 丁目) e Bloco (Banchi, 番地)
A próxima parte de um endereço típico japonês contém
Cidade distrito (Chōme,.) Nome e número
Número de quarteirão (Banchi, 番地) e Número da casa (Gō, 号)
Essas três designações são geralmente separadas por hífens.
No endereço do Real Estate Japan 〒106-0044 麻布 都 港区 東 麻布 1-8-1 東 麻布 IS ビ ル 4F, isso seria: 麻布 麻布 1-8-1, que é lido como Higashi Azabu ichi-no-hachi-no-ichi.
Isso significa que estamos localizados no primeiro distrito de Higashi Azabu, bloco 8, casa (prédio) número 1. Os hífens são lidos “NO”. Ichi significa “um” e hachi significa “oito”.Higashi-Azabu-1-8-1-1024x608
Esta parte do endereço também pode ser escrita, mas os hífens são entendidos como significando que a primeira parte se refere ao nome e número do distrito.
O segundo para o bloco, e o terceiro para o número da casa ou do prédio. Também é muito mais fácil ler e escrever hífens do que todos os kanjis, e não é incomum omitir, chōme, banchi e gō ao escrever endereços ou endereçar correspondências. Esta parte de um endereço em japonês é muitas vezes a mais difícil de lidar quando se lê um mapa e se tenta encontrar os pontos correspondentes para um endereço escrito. O escritório da Royal Estate Japan está localizado em Higashi Azabu 1-8-1. Para encontrar o endereço no mapa, primeiro procure pelo nome do distrito “Higashi Azabu”. O primeiro “1” no endereço significa “1 Chome” (Distrito 1 de Higashi Azabu) (oval vermelho). O “8” representa o bloco 8 (oval azul). O edifício não é numerado nos mapas do Google, mas o segundo “1” no endereço significa o edifício 1 no bloco 8 (estrela azul). O nome do edifício é escrito em japonês “東 麻布 IS ビ ル” .Comece encontrando o nome do distrito, em seguida, encontrar o número do distrito (chōme), em seguida, o número do bloco (banchi) .Aqui estão algumas diretrizes gerais para encontrar essas designações em um mapa: Chōme são geralmente atribuídos com base na proximidade com o centro do município e foram originalmente designados na ordem em que foram registrados. Blocos eram feitos muitas vezes de forma irregular. Como os números banchi foram atribuídos na ordem em que foram registrados, nas partes mais antigas de uma cidade, eles não estarão em ordem linear e os números próximos podem nem estar geograficamente adjacentes. Os números das casas foram atribuídos com base em quando foram construídos ou foram designados em sentido horário em torno do quarteirão.
Parte 6: Números de apartamentos
Se o endereço contiver um número de apartamento, ele poderá ser adicionado com um hífen imediatamente após o número do prédio.Por exemplo, neste endereço de composição: 〒106-0044 東京 都8 東 麻布 1-8-1-801, o número do apartamento seria 801.
Town Block Indicator Plates (板 表示 板 gaiku-hyōjiban) Hitotsubashi-Block-Sign-1024x768Nas cidades e vilas maiores, você verá placas indicadoras de blocos da cidades de metal ligadas a prédios e serviços públicos. Informam o bloco (banchi) em que você está. Alguns até têm a leitura romanizada do endereço. Aqui está um exemplo: bloco sinal escrito “Hitotsubashi 1-chome, cidade de Chiyoda” .
Exceções: Kyoto e Sapporo
O sistema de endereço usado em Kyoto e Sapporo difere do sistema de endereços oficial nacional que descrevemos acima. Por favor, refira-se à explicação muito detalhada da Wikipedia sobre os sistemas de endereços usados ​​nessas duas cidades.
Top Photo: Taken at Dogenzaka 2 Chome, Tokyo

Fonte:- Real Estate Japan Co. Ltd

Em muitas cidades são colocadas essas placas em postes de iluminação  e GPSs usam o numero de telefones fixos de Estabelecimentos Comerciais para navegar.

Publicado em Impressoes do Japão | Deixe um comentário

O Impala de Ituiutaba

por Jason Vogel.

Logo na primeira chamada, uma indicação. Na segunda, a sorte grande: no outro lado da linha estava uma das personagens desta história. É a única filha de Hélio Alves Guimarães, o dono original do Impala. Mineiramente reservada e muito assustada com a fama que o Impala ganhou nas últimas semanas, ela vai revelando a história do pai. Mas com uma condição:- Por favor, não põe o meu nome no jornal.
Doravante, vamos chamá-la de “a filha de seu Hélio”.
A filha confirma: é (quase) tudo verdade
Já no começo do papo, ela confirma parte da história:
– Realmente o carro ficou trancado por mais de 40 anos, mas não sei se tem essa coisa de paixão no meio. Acho que não foi por causa disso.E vai contando a vida do pai, nascido em 1921:
– Era um sujeito muito correto, trabalhador e inteligente. Pobre, estudou sozinho. Fundou a Rádio Platina, aqui na cidade – afirma.
Comprado em 1964.Fato é que, em 1964, já quarentão, seu Hélio era um comerciante bem-sucedido o suficiente para comprar um Chevrolet Impala hardtop cupê, novinho em folha.

O carrão americano veio da concessionária Jorlan, em Goiânia (Ituiutaba é na divisa com Goiás). Vermelho luzente, fazia uma vista danada.

250320101509Sob o capô, porém, um modesto motor 230 (3,8 litros) de seis cilindros e 140cv brutos, em vez do potente V8 mais usado pelos Impala nos EUA. O câmbio? Manual de três marchas, com alavanca na coluna. Na época, o Brasil restringia o valor máximo para a importação de carros, daí atal simplicidade mecânica.

– Lembro de ter dado apenas uma voltinha nesse carro, com minha mãe, quando eu tinha uns seis ou sete anos – lembra a filha de seu Hélio.

Fazendo as contas, concluímos que este passeio aconteceu em 1964 ou 1965. Depois disso, o abastado comerciante sumiu com o carro.- O que ele gostava mesmo era andar de Simca e de Fusca – explica.

Os Fusquinhas eram os carros de uso mais práticos no dia a dia e o Impala ficou hibernando numa estreita garagem, colada no quarto onde dormia seu Hélio. Meu pai nunca teve o hábito de vender os carros, que ficavam encostados até acabar – diz.

Cápsula do tempo: um Impala com 34.499km

Foto_032610_016Foto_032610_021Foto_032610_013Foto_032610_012

Em julho passado, aos 88 anos, seu Hélio teve uma pneumonia e faleceu.
A filha começou a reformar os imóveis do espólio e não pensava em mexer tão cedo no carro, com os quatro pneus ancorados no chão.

Há duas semanas, porém, o pedreiro deu o aviso: o forro da garagem, roído de cupins, estava para desabar. O Impala teve que sair da toca.
– Foi preciso desemperrar a porta da garagem e chamar um reboque – conta.

Foto_032610_006No posto, após a retirada da grossa poeira, a surpresa: o Impala estava perfeito e com apenas 34.499km rodados.

Parece uma capsula do tempo. Tem os decalques da concessionária, os selos originais do motor, a forração íntegra, os cromados brilhantes, o extintor antigo e até as placas do tipo usado antes de 1971. Absolutamente lisa, a lataria nunca viu um lanterneiro e tem pintura de fábrica.
O motor ainda será posto para funcionar por um mecânico. Já os pneus foram enchidos mas logo esvaziaram..

Foto_032610_011Foto_032610_007

E o que fazer com essa preciosidade jamais reformada?

– Por enquanto, não quero fazer nada. A morte do meu pai ainda é muito recente – afirma a filha, que, mineiramente, já entocou o Impala em outra garagem.

Por definição, uma lenda é: uma narrativa fantasiosa transmitida pela tradição oral através dos tempos. Essas fotos, no entanto, não foram produzidas em Photoshop.

Publicado em Antiguidades, Causos | Deixe um comentário