Quando Voar Era Uma Aventura de 5 Dias

15895310_629689863901204_257024983835995171_n

15940951_629686097234914_7961068496738159376_nDurante o voo inaugural do S-40, em 19 de novembro de 1931, o piloto e consultor da Pan American Airways, Charles Lindbergh,  considerou a S-40 uma monstruosidade e contratou o designer Igor Sikorsky para  desenhar o próximo avião e a conversa continuou naquela noite num hotel na Jamaica. Sikorsky concluiu que o desenvolvimento do projeto deveria ser incrementado e que a abordagem segura seria um S-40 maior. Lindbergh solicitou que seria necessário um projeto mais elegante, com alcance de 2.500 milhas.

Em junho de 1931, o presidente da Pan Am, Juan Trippe, havia pedido desenhos de seis companhias de aeronaves  que fosse capaz de atravessar os oceanos. O novo projeto precisaria de maior capacidade  para transportar combustível suficiente , mais 300 libras de correio e passageiros, para um vôo sem escalas de 2.500 milhas (4.023 quilômetros) contra um vento desfavoravel de 48 km / h a uma velocidade de cruzeiro maior do que os semelhantes barcos voadores disponiveis naquele momento. Das seis empresas que enviaram propostas , apenas Sikorsky e a Martin apresentaram inovações. A outra oferta foi o mais ambicioso,  o Martin M-130.

O novo design do Sikorsky  S-42  chamado de”Pan Am Clipper” ou “Flying Clipper” , teve grandes melhorias aerodinâmicas em relação ao S-40. Igor Sikorsky disse: ele representa a simplicidade.Desviando bruscamente dos antigos projetos dele, flaps externos foram reduzidos a um mínimo.A cauda, em vez de ser apoiado por estabilizadores, foi anexado diretamente ao casco.  O S-42 tinha uma Carga alar elevada que exigiu reforços para permitir velocidades de decolagem  e aterragem seguras.  Apesar de Lindbergh ter aprovado esse projeto, ele ficou muito aquém do alcance proposto.  Desmontado de todas as acomodações, com tanques de combustível extras na fuselagem,so assim o S-42 foi capaz de voar  através dos oceanos Atlântico e Pacífico em testes . A Pan Am teve de esperar o Martin M-130 ficar pronto para ter um avião capaz de voar no Pacífico com  carga paga chegando ate a distante China.

Em março de 1939 um Pan Am S-42 foi programado para deixar Miami as 0730, pernoitando durante a noite em San Juan, Port of Spain, Belém e Recife e chegar ao Rio de Janeiro às 15h30 no quinto dia onde esta hoje o Santos Dumont. (Voltou a Miami, e os passageiros para Buenos Aires continuaram em DC2 / DC3s.)

sikorsky_s42_crop

Em 1947, o inventor Lemuel Stewart comprou a fuselagem do S-42 NC-822M Brazilian Clipper da Pan Am por U$ 750, converteu-o em uma casa flutuante de seis quartos e manteve-o ancorado em um canal de barco em Miami, Flórida. Seu destino final é desconhecido.

Em janeiro de 1945, o sucessor dele ,o último Martin M-130 ( o China Clipper ), deixou Miami no primeiro vôo programado da Pan Am para Leopoldville na Africa via Brasil. Ele quebrou e afundou durante o pouso em Port of Spain, Trinidad e Tobago em 8 de janeiro.16003071_629696923900498_3624563272045183148_n

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Historias da Aviação. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s