Berimbelas,Quepes e Brevets

A História e os Significados

b1(1)A tradição das berimbelas surgiu quando  iniciaram o transporte de passageiros utilizando aeronaves anfíbias, como o Sikorsky S-38.Em 1931, as coisas começaram a mudar quando Pan Am introduziu rotas para a América do Sul utilizando barcos voadores apelidados Southern Clipper e American Clipper. Em 1937  começaram  a voar para o Reino Unido e a França e em 1939 encomendaram seis Boeing 314 , permitindo-lhes fazer operações transatlânticas  semanais.

Até então, pilotos utilizavam uma roupa não muito diferente dos ases da Primeira Guerra Mundial: jaquetas e gorros de couro, calças folgadas, botas de cano longo e óculos de proteção. Quando suas atribuições passaram a incluir o transporte de passageiros, muitos deles receosos em voar, tornou-se necessário passar uma nova imagem. Algo que passasse uma imagem de segurança à nova clientela.post-flyingboat

Valendo-se do fato de que aeronaves anfíbias eram em parte embarcações marítimas, a Pan Am passou a vestir seus tripulantes de uma forma que inspirasse maior confiança. Dessa forma, os rudes trajes de ases do ar deram lugar a impecáveis uniformes de oficiais marítimos, algo com o qual os olhares leigos estavam mais acostumados e, portanto, sentiam-se mais confortáveis e seguros. Assim, comandantes passaram a se vestir como capitães, apresentando quatro divisas nas ombreiras e punhos dos paletós, além de vestirem quepes marítimos com adornos na viseira. Co-pilotos passaram a se vestir como primeiros-oficiais, com duas divisas nas ombreiras e punhos dos paletós, e sem adornos na viseira do quepe.

A novidade logo se espalhou entre as demais companhias, com um acréscimo para distinguir a aviação da atividade naval. Tripulantes passaram a trazer um brevet preso à camisa ou ao paletó. Diferente do que muitos leigos imaginam, o brevet não é a habilitação de piloto, mas sim, um pequeno broche dourado ou prateado, em forma de asas. Os pilotos distinguiam-se da tripulação de cabine por possuir uma estrela em seus brevets. O comandante, por sua vez, distinguia-se por possuir uma guirlanda em volta da estrela no brevet.

Fonte-askthepilots.comDSCN1350 vasp minuaturas

Esse post foi publicado em Historias da Aviação, VASP. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s