O Velhinho do Trem

Em seu livro Inteligência Emocional, Daniel Goleman conta uma história que ilustra perfeitamente acapacidade de sentir, entender, controlar e modificar o estado emocional próprio e de outra pessoa de forma inteligente e intencional.

 27-old-man-on-train“Essa refinada habilidade na bela arte da influência emocional talvez seja mais bem exemplificada por uma história contada por um velho amigo, o falecido Terry Dobson, que na década de 50 foi um dos primeiros americanos a estudar a arte marcial Aikidô no Japão.

Uma tarde, ele voltava para casa, num trem suburbano de Tóquio, quando entrou um operário enorme, belicoso e muito bêbado. O homem, cambaleando, se pôs a aterrorizar os passageiros: gritando palavrões, avançou para uma mulher com um bebê no colo e jogou-a em cima de um casal de velhos, que se levantaram e iniciaram uma debandada para o outro extremo do vagão. O bêbado, fazendo outros ataques (e, em sua raiva, errando), agarrou a coluna de metal no meio do vagão com um rugido e tentou arrancá-la.

Nessa altura Terry, que estava no auge da forma física com as oito horas de exercício no Aikidô, sentiu-se chamado a intervir, para que ninguém se machucasse seriamente. Mas lembrou-se das palavras de seu mestre:

– O Aikidô é a arte da reconciliação. Quem quer brigar já rompeu a ligação com o universo. Quem tenta dominar as pessoas já está derrotado. Nós estudamos como resolver o conflito, não iniciá-lo.

Na verdade, Terry concordara, ao iniciar as aulas com o professor, em jamais puxar uma briga e usar sua arte marcial só para defesa. Agora, finalmente, via uma oportunidade de testar suas habilidade no Aikidô na vida real, no que era visivelmente uma ocasião legítima. Assim, com os outros passageiros sentados paralisados em seus bancos, ele se levantou, devagar e com determinação.

Ao vê-lo, o bêbado rugiu:

– A-ha! Um estrangeiro! Você precisa uma lição de boa educação japonesa!

E começou a preparar-se para enfrentar Terrry.

Mas no momento mesmo em que o bêbado ia fazer seu lance, alguém deu um grito ensurdecedor e curiosamente alegre:

-Ei!

O grito tinha o tom animado de alguém que encontra de repente um amigo querido. O bêbado, surpreso, girou e viu um japonesinho minúsculo, provavelmente na casa dos setenta, ali sentado vestindo um quimono. O velho sorria radiante para o bêbado e chamou-o com um aceno e um cantado “Vem cá”.

O bêbado aproximou-se com um beligerante “Por que diabos eu vou falar com você?” Enquanto isso, Terry estava preparado para derrubá-lo num momento se ele fizesse o menor movimento violento.

– Que foi que você andou bebendo? – perguntou o velho, os olhos radiantes para o operário bêbado.

– Eu bebi saquê, e não é da sua conta – berrou o bêbado.

– Ah, isso é maravilhoso, absolutamente maravilhoso – respondeu o  velho, num tom simpático. – Sabe, eu também adoro saquê. Toda noite, eu e minha mulher (ela tem sessenta e cinco anos, você sabe), a gente aquece uma garrafinha de saquê e vai tomar no jardim, sentados num velho banco de madeira….

E continuou falando de um pé de caqui em seu quintal, do destino do jardim, de saborear saquê à noite.

O rosto do bêbado começou a suavizar-se enquanto ouvia o velho, afrouxou os punhos.

– Ééé…. Eu também adoro caqui…- disse, a voz morrendo.

– Sim – respondeu o velho com uma voz animada – e tenho certeza de que tem uma esposa maravilhosa.

– Não – disse o operário. – Minha esposa morreu.

            Soluçando, lançou-se numa triste história de que perdera a esposa, a casa, o emprego, a vergonha que sentia de si mesmo.

Nesse momento, o trem chegou na estação de Terry, e quando ele ia saindo, voltou-se e ouviu o velho convidar o bêbado a sentar-se junto dele e contar-lhe tudo, e viu o bêbado arriar no banco, a cabeça no colo do velho.

Isso é brilhantismo emocional!”

Fonte:

GOLEMAN, Daniel. Inteligência Emocional. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 1995

Esse post foi publicado em Impressoes do Japão. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para O Velhinho do Trem

  1. Cláudia disse:

    Uma história para rever muito do ‘nosso’ comportamento com as pessoas, no ambiente de trabalho, na vida pessoal , como nos comportamos no dia dia com as pessoas
    O ‘Velhinho do Trem’ faz refletirmos sobre nossas emoções e o auto controle , administrá-las buscando equilíbrio, texto super indicado em todas as fases da vida. Parabéns.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s