Feijoada na Transbrasil e Filet Mignon na Vasp

transbrasilEm 1973 a Transbrasil introduziu um novo elemento ao serviço de bordo: feijoada completa às quartas e sábados.

Sabadão, manhã de sol, Brasília. Final de 1973, começo de 1974, não me lembro exatamente.  Eu e um colega de trabalho, o Kemal Sampaio, havíamos terminado dois dias de visita ao Correio Brasiliense, um dos poucos jornais brasileiros, à época, impressos em off set.

Preparávamos relatório para a escolha e compra do parque gráfico do jornal que o nosso “chefe”, o senador Paulo Pimentel, estava montando em Londrina, onde eu morava –e moro– e nosso destino final naquele dia.Sempre gostei de voar e aquele trecho de viagem se prenunciava maravilhoso, ainda mais que embarcaríamos no novíssimo BAC One-Eleven, o Jatão da Transbrasil. E lá estava ele, brilhante em suas cores fortes, reluzindo ao sol do aeroporto de Brasília.

A metade inferior da fuselagem era vermelho escuro e uma faixa preta, fina, a separava do amarelo também escuro, da metade superior. O logo, em branco, ficava próxima da raiz das asas. O prefixo era PP SDP ou SDQ. Aos 66 anos, a memória falha um pouco.Fomos recebidos magnificamente pelas “anfitriãs do ar” –sim, não eram apenas comissárias ou aeromoças, aquelas meninas lindas– e uma hora após a decolagem, aviso de proibido fumar já apagado (impensável imaginar isso hoje), veio o speech: o serviço de bordo começaria em seguida –e o prato principal era simplesmente… feijoada!

Com direito a caipirinha, torresmo de entrada. Voar e comer feijoada. Pode haver combinação melhor? Especialmente se você não vai pilotar?

E não era prato feito, pelo menos não em minha lembrança.Parece-me ter sido assim:   cada bandeja tinha uma cumbuca com a feijoada, outra com o arroz e uma terceira com os torresmos e a couve. Tudo quentinho, talheres de metal, copos de vidro e cerveja geladíssima. E tudo muito gostoso, saboroso, bem temperado.

Não vou me perder em devaneios comparativos  do tipo “voar naquele tempo era  melhor”. Mas uma coisa eu garanto: tinha um sabor diferente. Sabor de feijoada, amizade, alegria. E felicidade.A Transbrasil fez o primeiro voo em 1956 e encerrou as suas operações em 2001.

* Pedro Afonso Scucuglia, 66, é publicitário e jornalista

P.S:Comi essa Feijoada caprichada num Belém-Brasilia,viajando de Tripulante Extra que deixou saudades.

???????????????Depois vieram os 767-200 que sucatearam no Aeroporto de Brasilia e três aeronaves da empresa foram
leiloadas e vendidas por valores entre R$ 95 mil e R$ 140 mil a empresas de sucata.

untitleds Hoje tomar um bom uísque a bordo, ou um vinho de boa procedência em taças de cristal,com guardanapos de linho,so mesmo pagando um assento na primeira classe .

Mesmo tripulantes podiam saborear os pratos quentes  especiais,quando podiam fazer seus pedidos antecipadamente, enviados pela tripulação que fazia a sequencia da rota  para a Comissaria da próxima escala do Voo :Camarão na Moranga,Cozido do Alfredo, etc.

274

 

 

Para os passageiros,entre outras opções , filé ao molho madeira com champignon,aspargos e outros acompanhamentos ,alem de um bom vinho servido pela VASP no vôo 247 que saía de São Paulo para Porto Alegre às 21 horas …Restaurante de classe a Bordo…

 

 

 

foto-26420603_372373856116056_901909317_n-1

vaspbrazilianairlines001Ate chegar a Era Canhedo (Pão  e Agua)…

Esse post foi publicado em Historias da Aviação, VASP. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s