O Homem que evitou uma Hecatombe Nuclear

imagesdA noticia que quase houve uma explosão acidental com a queda de um Bombardeiro na Califórnia, com falhas em vários dispositivos de segurança que evitariam a detonação ,outra de perda de misseis num B-52 também acidentado na Groenlândia quando voavam 24 hs com Bombas Nucleares em patrulha na época da Guerra Fria,indica que estivemos varias vezes em perigo sem saber.Talvez a mais seria delas foi essa:
petrov_articleQuando o Tenente-Coronel Stanislav Petrov chegou para trabalhar no turno da noite em um bunker de comando secreto perto de Moscou a partir do qual eram monitorados satélites de alerta da União Soviética, ele estava antecipando uma outra operação rotineira de verificação de telas e sistemas de comunicação e estudando algumas jogadas de xadrez para ajudar a passar o tempo .

Mas, logo depois da meia-noite no dia 26 de setembro de 1983, alarmes começaram a soar e um botão vermelho no console na frente de Petrov começou a piscar a única palavra: “Start”. Isso significava que um míssil balístico americano tinha sido lançado e estava indo em direção a URSS : em seguida, os computadores ligados aos satélites informaram que mais quatro mísseis estavam a caminho .

Como comandante do bunker , Petrov , especialista em foguetes de 44 anos de idade, foi o responsável por decidir se os dados de lançamento estavam corretos . Se fossem, ordens permanentes exigiam a notificação imediata ao Alto Comando Soviético , que , em seguida, consultariam o Kremlin sobre o início de um ataque de retaliação rápida e maciça contra os EUA. ” Por 15 segundos estávamos todos em estado de choque”, Petrov lembrou anos mais tarde. “Precisávamos entender com absoluta certeza o que viria a seguir . ”

Após cinco minutos de atividade frenética  , Petrov concluiu que os relatórios de lançamento de entrada eram quase certamente falsos . O princípio central da estratégia da Guerra Fria da URSS declarava que qualquer ataque nuclear pela América envolveria o lançamento simultâneo de centenas de mísseis . No julgamento de Petrov , ninguém iria realizar um primeiro ataque , com apenas cinco misseis: ele também estava ciente do sistema ter um histórico de mau funcionamento . ” Minha intuição era de que estávamos vivendo uma outra falha no sistema , por isso, tomei a decisão de denunciar um falso alarme. ”

O palpite de Petrov foi posteriormente confirmado por uma investigação oficial : os alertas de satélite que poderiam ter criado um holocausto nuclear foi desencadeada por uma combinação incomum de luz solar e formações de nuvens de alta altitude , mal interpretado pelos computadores como o lançamento de um míssil.

Mas, apesar de a conduta de Petrov sob intensa pressão inicialmente terem atraido elogios de seus superiores – falava-se de condecora-lo com medalha – uma investigação oficial mais tarde,o acusou de infrações disciplinares graves. Petrov foi formalmente repreendido , rebaixado e transferido a um posto muito menos responsável. Convencido de que ele tinha sido transformado em bode expiatório por expor falhas na rede de alerta , ele optou por se aposentar mais cedo e , segundo alguns relatos , sofreu um colapso nervoso.

No final da década de 1990 , com a política de glasnost de Gorbachev  (abertura) tomando conta,  a história daquela noite dramática no bunker se tornou de conhecimento público na Rússia. Um especialista americano em doutrinas de defesa soviéticos durante a Guerra Fria, descreveu o incidente como ” o mais próximo que chegamos a um conflito nuclear acidental ” . Relatórios de inteligência americana contemporânea indicavam que o então líder soviético , Yuri Andropov , e seu alto escalão estavam extremamente nervosos com a possibilidade de que o presidente Ronald Reagan pudesse autorizar um primeiro ataque devastador contra o que ele apelidou de ” o império do mal ” .

Até então, Petrov foi sobrevivendo com uma magra pensão militar  em um bloco de apartamentos esquálido em uma cidade perto de Moscou , bebia muito e de luto pela morte de sua esposa de câncer. Ele disse aos jornalistas ocidentais que não se considerava um herói, apenas um funcionário consciente que fez o seu dever em um momento de grande perigo para a humanidade.

No entanto, em poucos anos , como a notícia se espalhou do seu papel em evitar o que poderia ter se tornado uma catástrofe global,com centenas de milhões de vitimas, ele estava sendo homenageado no Ocidente. Em maio de 2004 , a Associação norte-americana de Cidadãos do Mundo,o premiou com um troféu e US $ 1.000 .Dois anos depois , a saúde aparentemente restaurada, ele foi convidado para a sede da ONU em Nova York para receber um segundo prêmio.

Esse post foi publicado em Historias da Aviação, Notícias e Política. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s