JAL 1628 e VASP 169

Aqui no Japão  ,Pilotos Comerciais não comentam contatos visuais  de UFOs,porque quando o Cte Terauchi do voo 1628 da Jal,vindo de Paris com uma carga de vinho Beaujolais para Narita em 17 de novembro 1986  ,avistou um objeto 2 ou mais vezes maior que o seu Jumbo Cargueiro antes de Anchorage no Alaska , teve muitos problemas na vida profissional.

O incidente foi observado no Scope dos operadores de radar da area e ate questionado se queria acionar aviões da base mais proxima para interceptação . Mesmo com os tripulantes como testemunhas (flight e co-piloto),  foi punido e suspenso do voo por varios anos,exercendo funções  burocraticas ate ser reintegrado .

A alegação da punição   era de ter mudado o nivel de voo autorizado e efetuado manobras para observar o objeto,isto autorizado pelo Controle. A Diretoria da  Jal achou que colocou em risco o voo cargueiro e desobedeceu as normas da empresa ao divulgar o incidente.Por isso nunca relatei  o meu caso de Barreiras na Bahia.

Como disse o Calvin dos quadrinhos de Calvin e Hobbes-com toda a certeza ha vida inteligente fora da Terra.A evidencia mais contundente e que eles nunca tentaram nos contactar…..

Vasp 169

Ocorrido na madrugada de 08 de fevereiro de 1982. O fato se deu quando o Boeing da  companhia aérea paulista fazia um vôo noturno entre Fortaleza e São Paulo, com duas escalas. O avião foi seguido por quase duas horas inteiras por um objeto não identificado de brilho intenso, que surgiu inicialmente a sua esquerda, na altura de Petrolina, no interior de Pernambuco, e realizou inúmeras manobras. Com quase 150 passageiros a bordo, o avião foi seguido ininterruptamente até a primeira escala, em belo Horizonte, tendo o UFO continuado sua perseguição quase uma hora depois, após o Boeing decolar rumo ao Rio de Janeiro, sua segunda escala. O comandante era o veterano Gerson Maciel de Britto, que na época acumulava mais de 26 mil horas de vôo e era considerado um dos pilotos mais experientes da empresa. – Teria sido um caso de perseguição corriqueiro caso não tivessem ocorrido três fatos. Primeiro, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo(Cindacta), em Brasília, detectou o UFO e todas as suas movimentações por todo o tempo em que esteve próximo ao avião. Segundo, Britto acordou seus passageiros e os convidou a testemunhar o fenômeno. Todos fizeram, exceto dom Aloísio Lorscheider, então presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB), que preferiu não se comprometer a observar o objeto. FONTE: Revista UFO Edição 130 – Ano XXIII- Fevereiro de 2007

O avião, um jato 727-200 (prefixo PP-SNG), decolou de Fortaleza às 01h50 da manhã e subiu ao seu nível cruzeiro. O vôo transcorreu normalmente  durante 1 hora e 22 minutos. Faltava apenas 33 minutos para chegar em Petrolina (PE).  pela aerovia UR 1, quando o comandante observou à esquerda da sua aeronave um foco luminoso que se assemelhava-se aos focos de luzes de outras aeronaves. O comandante achou muito estranho o fato de não ter sido reportado a presença de outras aeronaves comerciais ou da força aérea voando naquele setor, que seria um procedimento normal numa area que ainda nao havia cobertura radar.

Neste momento, o comandante sinalizou com o faróis da aeronave buscando comunicação com a aeronave e diminuiu a luminosidade da cabide, visando observar melhor o estranho objeto. Se o objeto que acompanhava o boeing fosse um avião comercial ou mesmo da Força Aérea Brasileira haveria uma resposta ao sinal luminoso, o que não ocorreu neste caso. Além da ausência de resposta ao sinal luminoso havia silêncio no rádio de bordo,nas tentativas em 126.9 e frequencia de emergencia-121.5.

O estranho objeto acompanhou o avião à uma distância relativa na mesma velocidade deste. Segundo Brito, o objeto tinha luminosidade compacta, muito viva e bem diferente da produzida pelo planeta Vênus. A coloração do objeto era vermelho e laranja nas bordas e no centro branco-azulado. O OVNI realizava movimentos para cima e para baixo o que exclui a possibilidade de que o mesmo seja o planeta Vênus, como chegou-se a cogitar. Mais tarde, em comunicação com o CENTRO-BRASILIA eles informaram todos os detalhes do avistamento. O Centro de Controle em Brasília informou que não tinha nenhuma informação a respeito e solicitou que outros aviões voando na região informassem caso avistassem alguma coisa. Um avião da Aerolíneas Argentinas, vôo 169, confirmou a presença do estranho objeto. Mais tarde, outro avião, desta vez da Transbrasil, vôo 177, reportou a presença do estranho objeto.

Quando o vôo 169 passava pela região de Belo Horizonte o comandante Gerson Maciel de Brito resolveu informar os passageiros sobre a presença do estranho acompanhante. Neste momento, o objeto aproximou-se ainda mais do boeing apresentando-se mais nitidamente. Neste momento, o CINDACTA entrou em contato informando ter detectado um alvo não identificado a 9 horas e a aproximadamente 8 milhas de distância (aproximadamente 12 km). O objeto continuou a ser avistado até as proximidades do aeroporto do Galeão, quando saiu da lateral e posicionou-se à frente do avião. Após o pouso o objeto não foi mais visto.

Esse post foi publicado em Historias da Aviação, Impressoes do Japão, VASP. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s