O Ultimo Samurai

No dia 12 de abril de 1972, o Samurai da Vasp,o apelido dado aos Nihon YS-11 japoneses, prefixo PP-SML (foto), realizava mais um vôo de rotina da Ponte Aérea Rio-São Paulo. Era noite e tudo parecia normal. Não se sabe por que uma tripulação tão experiente como aquela cujo Comandante-Instrutor, era Zenóbio Torres e o Comandante de Instrução-Carlos Roberto de Abreu Valença iniciou o procedimento de descida muito antes do previsto. Como resultado da falha de navegação, o Samurai entrou voando no costado da serra de Maria Comprida (foto) no município de Petrópolis, a 50 km do Rio de Janeiro, explodindo instantaneamente e matando todos os seus 25 ocupantes. Na ocasião do acidente, chegou a ser desprezada a versão oficial que apontava falha de navegação. Eram muitos os pontos contraditórios: Pilotos muito experientes que faziam ao menos quatro vôos diários pela ponte-aérea, a noite estava clara com luar e sem nuvens e mais um fator: a torre do aeroporto Santos Dumont não registrou nenhuma indicação de anomalia no nesse vôo. Um único ponto pode se apontar como negativo: Naquela época os passageiros não eram vistoriados nos embarques, como acontece hoje em qualquer lugar do mundo. Isso possibilitava a um passageiro  embarcar armado se assim o desejasse. Com todos esses ingredientes, a imprensa da época passou a especular a possibilidade de que poderia ter havido um tumulto a bordo, causando o misterioso acidente. Claro que ninguém sobreviveu para contar o motivo que levou a aeronave de fabricação japonesa, o YS-11 (Samurai) a se chocar com a serra e por último, o Rio de Janeiro por ser uma cidade de grandes proporções, não pode ser confundida, muito menos por uma tripulação esperiente, que a cruzou sem se dar conta disso. Na verdade o YS-11, nunca foi visto com bons olhos pelos passageiros que costumavam usar com certa regularidade a Pontea Aérea RJ/SP, que viam com certa apreensão quando esse equipamento estava designado para o  horário. Ai o desconforto era geral, partir desse acidente, o Electra 2, passou a ser o avião exclusivo da ponte-aérea.

Sem flight recorder e voice recorder esse misterio sera insoluvel.

Esse post foi publicado em Historias da Aviação, VASP. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s