Carta para ler a cada 100 anos

Capsulas do Tempo são  usadas nas escolas,geralmente para as futuras reuniões de alunos e  encontradas em algumas lojas como a Tokyu Hands ou feitas por encomenda.

Muitos itens acabam se deteriorando pelo tempo e outros provocam muita diversão ,com adultos se espantando pelo que guardaram como lembranças da juventude.

Em 1968, duas empresas japonesas, a Panasonic Corporation e o jornal Mainichi, concordaram em realizar o projeto cápsula do tempo em comemoração da Exposição Mundial de Osaka em 1970. Duas cápsulas de tempo idênticas em todos os detalhes foram enterrados junto ao Castelo de Osaka. A menor  cápsula permanecerá enterrado por 5.000 anos. A cápsula superior (A cápsula de controle) foi aberta, em 2000, para examinar a condição de o seu conteúdo. Depois de ser submetido testes de laboratório  , será novamente aberta cada 100 anos, de modo que as últimas técnicas de conservação possam ser utilizadas para assegurar a sua conservação. Os 2.090 itens na cápsula foram escolhidos por uma equipe de cientistas, engenheiros e historiadores , refletem a vida cotidiana em 1970. Outros itens extras incluem um preservativo de seda, dentes artificiais, um olho de vidro, insetos revestido de resina, um livro de instruções de origami, algemas e dinheiro falso.

Um concurso foi realizado entre escolares japoneses para escrever uma carta dirigida às pessoas que  um dia vai abri-las . O vencedor foi um aluno do quarto ano de Tokyo, que escreveu: “Como vão  vocês, depois  de 5.000 anos ? Eu gostaria de poder viver novamente na sua era, mas estou muito feliz agora. Tenho pais amáveis e também uma irmã com quem brigo de vez em quando. Devemos fazer o nosso melhor para as próximas gerações. Adeus de 5.000 anos no passado. ”

A mais famosa- Cripta da Civilização é considerado por muitos como a primeira cápsula dos tempos modernos,mesmo havendo muitas outras,como serviram as descobertas das tumbas dos faraos e os guerreiros em terracota da China para estudo.

Ela ajudou a inspirar tanto o nome, bem como as cápsulas do tempo Westinghouse. Em 1940, no porão de Phoebe Hearst Hall na Universidade Oglethorpe em Geórgia, as portas de aço inox do cofre foram soldadas. Impermeabilizada e sem oxigenio,a sala contém uma coleção de artefatos colocados ali  a partir dos anos 1937 a 1940.O conceito foi pensado em 1936 pelo ex-presidente do Dr. Universidade . Thornwell Jacobs. Enquanto ensinou e pesquisou a história antiga, Jacobs ficou impressionado com a falta de informação sobre antigas civilizações. Ele pensou por aqueles que poderiam estudar a nossa civilização no futuro, teriam que ter registros precisos e plenos. Porque a primeira data conhecida na história de registros foi 4241 AC (6177 anos antes) Jacobs sugeriu que o Cripta ficaria selado até 6177, mais os anos que se passaram – definindo assim o ano de reabertura da Cripta do em 8113 DC.

Esse post foi publicado em Impressoes do Japão. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s